Slipknot depois de 20 anos: como a vida de Corey Taylor mudou desde o início da banda?

Frontman relembrou como ele e os seus colegas de banda passaram um ano comendo biscoitos e atum enlatado para sobreviver

Redação Publicado em 02/08/2019, às 18h34

None
Slipknot (Foto: Divulgação)

Em uma conversa com o Loudwire nesta semana, Corey Taylor relembrou o começo da sua carreira com o Slipknot e a primeira apresentação da banda no Ozzfest, festival de Ozzy Osbourne, em 1999. Entre memórias, o frontman revelou alguns dos aspectos mais diferentes da sua vida 20 anos depois do lançamento do primeiro disco. “Nossa ética de trabalho é basicamente a mesma. E nenhum de nós é mais tão jovem [risos]”, brincou. 

Com a fama, veio o dinheiro, e consequentemente uma vida mais confortável e melhor. “Eu lembro de acordar todos os dias fazendo ‘uma rapa’ por comida. Vivíamos comendo atum enlatado e pacotes enormes de biscoito de queijo que alguém tinha deixado no nosso ônibus. A embalagem era ridícula, do tamanho de um travesseiro, comemos só isso por um mês”, relembrou. 

+++ LEIA MAIS: Corey Taylor interrompe show do Slipknot para salvar fã machucado 

Apesar disso, sendo um grupo de jovens na estrada e vivendo o sonho de ter uma banda, o Slipknotnão podia imaginar momento melhor do que aquele. “A gente não ligava para nada disso. Não ligava para o cansaço, para a viagem, para nada. Estávamos esperando a nossa vida inteira para aquela oportunidade, e quando veio, sabíamos que não íamos parar.”

Desde o início, o Slipknotconhecia seus desejos: fazer mais e ser melhor e inovar na música. “Precisávamos ter tudo. E ainda é assim hoje,” garantiu Taylor. “Muita gente acha que quando assinamos com uma gravadora, pararíamos de batalhar pois alguém faria isso por nós. Mas não é assim mesmo! Esse é só o ponto inicial. Você precisa lutar e estar disposto a fazer de tudo para conquistar o seu sonho.”

+++ LEIA MAIS: Menina de 8 anos arrasa cantando Slipknot com banda infantil; assista 

Concluiu o discurso garantindo que o Slipknot não mudou tanto assim na sua base: “Temos os mesmos ideais e, enquanto a banda existir, vai ser assim. E me orgulho disso.”

+++ ENTREVISTA RS: Rubel fala de carreira acidental, conta como criou "Partilhar" e que quer ser popular