Vídeo mostra primeiro show do Blink-182 com formação clássica; assista

Travis Barker, o baterista, só entrou em 1998, e ainda tocava com o kit do integrante anterior

Redação Publicado em 27/05/2019, às 19h13

None
Blink-182 em 2010 (Foto: Ap)

Travis Barker virou baterista do Blink-182 em junho de 1998. Com Mark Hoppus no baixo e Tom DeLonge na guitarra, o trio consagrou-se como a formação clássica da banda.

Um vídeo dessa época recentemente ganhou popularidade no YouTube. Feito por um fã e intitulado “nossas férias”, o clipe de cerca de 30 minutos mostra a primeira apresentação feita pelo Blink-182 com Barker, em Baltimore, nos Estados Unidos. Com ar de improviso, o baterista ainda usa o kit de Scott, primeiro percussionista do Blink, e o show foi de graça.

Cerca de um ano depois dessa apresentação, Hoppus, DeLonge e Barker, lançaram Enema of the State, disco de 1999, e ganharam fama mundial com faixas como “All The Small Things”, “Adam’s Song” e “What’s My Age Again”. Entre 2001 e 2011, o Blink-182 lançou mais três discos assinados pelo trio.

+++ Mark Hoppus relembra primeiro show do Blink-182: pediram para gente abaixar o som 

Em 2015, a banda sofreu um baque quando DeLonge anunciou que abandonaria os colegas para explorar outras vertentes criativas. Matt Skiba entrou em seu lugar, e a banda lançou então o disco California, de 2016, e mais recentemente “Blame It On My Youth”, single de um novo álbum ainda não nomeado, criando, com a nova formação, uma vertente mais pop.

Porém, agora, há chances da formação clássica do Blink-182 voltar às raizes - pelo menos, isso acontecerá se os desejos de DeLonge forem atendidos. “Acho que sim, todo mundo, eu vou voltar a tocar com o Blink-182. Esse é o plano”, disse. “Eu converso com o Travis o tempo inteiro, e eu falei com o Mark esses dias, e a gente está discutindo o que faria mais sentido, e quando”, disse ao 91X San Diego.

Enquanto isso não acontece, relembre os tempos clássicos de Blink-182 e assista ao primeiro show de Travis Barker na banda:

+++ VÍDEO: Rincon Sapiência aprendeu a "desenhar o próprio nome", quase foi jogador de futebol e se tornou Rei dos Feats do rap nacional