Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / Capa

Dua Lipa deixa o mistério de lado: "estou sendo jogada pro mundo agora"

Após anos que pareceram um tornado, a ambiciosa pop star abraça a liberdade e a diversão - tanto na própria vida quanto no próximo álbum. Ao dar início a uma nova era, ela nos recebe entre seus sonhos, ansiedades e aquilo que ela deseja representar

Por Brittany Spanos Publicado em 16/01/2024, às 12h01

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Dua Lipa (@michaelbaileygates x @minititleltd)
Dua Lipa (@michaelbaileygates x @minititleltd)
“Estou literalmente sendo jogada pro mundo agora.”

Dua Lipa está pensando em seu retorno de Saturno enquanto diz isso. Aos 28 anos, ela está no olho do furacão cósmico neste momento, mas a estrela, amante da astrologia, já vinha antecipando o evento há um tempo. Trata-se de um processo cósmico de amadurecimento, marcado por um sem-fim de transações, transformações e agitações, que ocorre normalmente às vésperas dos 30 anos. Lipa - que está prestes a começar um capítulo completamente novo em sua carreira - está sentindo cada uma delas.

Dua Lipa é a capa global da Rolling Stone (@michaelbaileygates x @minititleltd)

"Isso te tira do chão", diz Lipa em seu sotaque marcado do norte de Londres, saboreando um pouco do caos. "Eu pensei que os 28 iam ser tranquilos." 

Estamos sentados no agora vazio pátio do Gjelina, um restaurante popular na movimentada Abbot Kinney Boulevard, em Venice Beach, na Califórnia. (Ela admite timidamente que seu amor pela série Californication a fez querer ver esta rua antes mesmo de visitar Los Angeles.) Lipa chegou sozinha para o almoço, atravessando antigas mesas lotadas em seu casaco de tweed, camiseta, jeans e óculos de sol. Seu cabelo tingido de um vermelho profundo, cor de vinho tinto, a faz se destacar imediatamente - talvez por isso o dono, que conhece seu pai e também é de ascendência albanesa, nos envie uma sobremesa grátis. "Albaneses em todo lugar", diz ela dando de ombros.

+++ LEIA MAIS: Dua Lipa: 5 performances incríveis da cantora - Grammy 2021, Tiny Desk e mais [LISTA]

Ela está um pouco cansada da viagem, acabara de pousar vinda de Londres alguns dias antes. Dois dias antes do voo, lançou seu novo single, "Houdini", uma animada e psicodélica canção de pista de dança. Na manhã seguinte, foram anunciadas as indicações ao Grammy, e ela descobriu que seu sucesso "Dance the Night" estava concorrendo a dois prêmios, incluindo Canção do Ano. "Eu nem sabia que seriam anunciados naquele dia!" ela diz. Ela comemorou indo para o DJ set de um amigo e admite que estava meio de ressaca para o voo.

Dua Lipa (@michaelbaileygates x @minititleltd)

Mas entre esses grandes momentos e celebrações, Lipa tem descoberto muito sobre si mesma. Seu aguardado terceiro álbum está previsto para este ano, capturando um período de grandes mudanças em sua vida, incluindo o fim de um relacionamento e suas incursões no mundo dos solteiros. Ela também se separou da agência que a representou por uma década e recuperou os direitos de sua música. Além disso, tem acumulado projetos que incluem sua newsletter Service95, papéis em filmes e uma produtora, planejando exatamente o que deseja fazer no futuro. 

"Estou sendo lançada em lições de resiliência", diz ela. "Lições como talvez não precisar ser tão forte o tempo todo e estar bem com isso." Ela procura as palavras um pouco. "Eu não sei... Estou aprendendo tanto sobre mim mesma."

Lipa pode já ter sido mais resiliente do que percebe. Basta olhar para sua história de origem: aos 15 anos, persuadiu sua família a deixá-la sair do Kosovo e se mudou de volta para Londres, onde nasceu, completamente sozinha. Ela terminou a escola, passou nos exames com notas máximas e começou a trabalhar como garçonete e modelo enquanto buscava uma equipe e uma gravadora para alavancar sua carreira musical. Antes de completar 20 anos, já estava contratada.

Nos anos que antecederam e seguiram o lançamento de seu álbum homônimo de estreia em 2017, Lipa dedicou-se ao estúdio e à estrada, tocando em festivais e abrindo para Troye Sivan, Bruno Mars e Coldplay. O trabalho valeu a pena com sucessos como "New Rules" e um Grammy de Melhor Artista Revelação. Então, em 2020, seu glamoroso renascimento disco Future Nostalgia se tornou um sucesso durante a pandemia, subindo nas paradas e a transformando em uma figura central na música pop.

+++ LEIA MAIS: Grammy 2024: Quando será a premiação?

O álbum foi um grito rebelde para Lipa. Tornou-se uma trilha sonora improvável para milhões de pessoas durante o lockdown e fez do disco um movimento ubíquo na música pop nos próximos anos. E com sua voz calorosa e soul, misturada com sua autoconfiança inegável, Lipa tornou-se a diva pop pronta para enfrentar um momento incerto.

Apesar de ser uma das artistas mais ouvidas do mundo, ela também é a pop star favorita de seu roqueiro favorito: quando Elton John não está a chamando para jantares luxuosos, Mick Jagger está dançando com ela em sua festa de Natal.

"Tivemos uma festa de dança completa, dançando com Mick Jagger na sala dele", diz ela, rindo. Ela imita levemente Jagger: "Ele diz, 'Tudo bem, querida! Vamos lá, querida!'"

No verão passado, Trent Reznor disse que achou "Levitating" tão "bem elaborada" que chegou a emocioná-lo. ("Isso foi muito, muito legal", diz Lipa, sorrindo amplamente.) Recentemente, para o clube do livro Service95, Lipa conversou com Patti Smith, uma de suas heroínas. Smith compartilhou que viu uma foto de Lipa em um vestido de malha na estreia de Barbie e imediatamente pensou em Joana d'Arc. 

"Às vezes, quando estou falando sobre coisas assim, penso, 'É estranho que eu esteja até falando de mim mesma'", diz Lipa.
Dua Lipa (@michaelbaileygates x @minititleltd)

Lipa está em todo lugar, mas muitos críticos sentem que mal arranharam a superfície de quem ela é. Ela se move tão facilmente entre gêneros que o som e a personalidade no início de sua carreira parecem inescrutáveis. Vislumbres de sua vida fora dos holofotes surgiam em ondas frequentes, mas bem curadas, em seu Instagram, a única rede social que ela mesma administra. Para ela, a música é um trabalho - e sua vida pessoal continua sendo apenas isso. 

"Gosto de viver minha vida, postar minhas fotos, escrever minhas músicas e sumir", explica. "Não estou interessada em tentar ser controversa ou fazer algo por uma reação."

Sua compostura e desinteresse por drama frequentemente levam as pessoas a retratá-la como um robô pop guardado demais. Piadas e críticas de que ela não está se esforçando o suficiente, não está dando o suficiente, a machucam. No meio de toda essa autodescoberta, Lipa tem tentado criar mais distância do barulho ao seu redor.

"É sempre tão fácil com as redes sociais se envolver em uma espiral negativa ou as pessoas sendo más, dizendo o que pensam sobre você sem realmente te conhecer. Para algumas pessoas, talvez seja difícil acreditar que você tem sentimentos ou que fica chateada", diz ela. "Para mim, acho importante conseguir levar as coisas com um pé atrás, uma pitada de sal."

Por mais tranquila que possa parecer, alguns comentários doem. Pegue as reações a algo tão inofensivo quanto Lipa relaxando nas férias. Após a conclusão de sua turnê Future Nostalgia em novembro de 2022, Lipa passou o início de 2023 viajando pelo mundo com sua família e amigos. Os fãs a apelidaram de "rainha das férias", comentando sobre como ela nunca está em casa, já que seu feed do Instagram estava cheio de fotos de lugares como Cannes e Ibiza.

+++ LEIA MAIS: 7 curiosidades de Future Nostalgia, de Dua Lipa [LISTA]

"Acho que as pessoas esquecem rápido", diz ela. "Eu estava em turnê até o final de dezembro. Eu senti que perdi muito tempo com minha família e amigos. Isso mostra o quão curto é nosso tempo de atenção, por isso a música sai tão mais rápido."

E então, por apenas um segundo, ela se irrita um pouco, exausta pelo fato de algo tão inofensivo estar sendo minuciosamente analisado. "Claro que eu ia para a maldita viagem e relaxar [em meio ao] ano em que eu estava apenas no estúdio e tinha um tempo livre. Enquanto estiver fazendo meu trabalho, cumprindo meus prazos e fazendo o que preciso, encontrarei uma maneira de relaxar também. É realmente trabalhar duro e se divertir. Por que não?"

Lipa está trabalhando duro agora. Seus fãs aguardam ansiosos seu terceiro álbum, que eles apelidaram de DL3. Ela ainda não está pronta para revelar o título real, mas compartilha que é um tributo à cultura rave do Reino Unido com influências psicodélicas-pop. É fortemente inspirado em artistas como Primal Scream e Massive Attack, pilares para uma garota londrina com inclinação por passeios noturnos pela cidade. Até mesmo sua estética é uma mudança total de sua última era, reduzindo os bodysuits glamorosos e brilhantes na tentativa de evocar o "não me importo" dos grupos de britpop como Oasis e Blur, mais referências para sua nova música.

"Este disco parece um pouco mais cru", diz ela. "Quero capturar a essência da juventude, da liberdade, da diversão e simplesmente deixar as coisas acontecerem, seja bom ou ruim. Você não pode mudar isso. Apenas tem que seguir com os socos do que está acontecendo em sua vida."

Mas Dua ainda é Dua, e ela não perdeu nada do comando e da determinação que a trouxe até aqui, mesmo com seu retorno de Saturno apresentando novas lições todos os dias. Há muita coisa que ela está planejando agora, e ela vai dar tudo para seus fãs, mesmo enquanto leva as coisas com leveza. "Estou tentando me mover com leveza, como se 'nada fosse o fim do mundo'", diz ela. "Aconteça o que acontecer, é exatamente como deve ser."

Dua Lipa (@michaelbaileygates x @minititleltd)

APENAS UMA SEMANA ANTES, antes de nosso encontro para o almoço em Los Angeles, Lipa estava em casa em Londres. Era novembro, e a cidade estava caracteristicamente sombria, o céu cinza e as ruas salpicadas de chuva intermitente. Por fora, sua casa parece um imponente armazém de estilo industrial, trancado, cercado e com paredes de tijolos. Ela se estabeleceu ali em dezembro de 2022 e mora perto de sua casa de infância e dos lugares que frequentava na adolescência — ela aponta com carinho que há uma boate próxima onde viu a primeira turnê do J. Cole no Reino Unido.

Entrar em sua casa é um pouco como sair de uma paisagem em preto e branco para um Technicolor completo: pode parecer uma fortaleza por fora, mas, assim como Lipa, o interior é sofisticado e acolhedor, cheio de decorações cuidadosamente selecionadas e móveis aconchegantes adequados para as inúmeras festas que ela organiza aqui. 

Sofás laranja e branco, enormes, cercam mesas de café de granito pesado. Contra uma parede, há um armário de nogueira com enfeites e uma cópia do livro M Train de Patti Smith. Uma roda-gigante de cores paira sobre seu toca-discos branco, enquanto na mesma parede há uma colagem dos Muppets pintada pelo coletivo artístico FriendsWithYou. No banco abaixo, uma caixa de discos tem um bootleg do Oasis na frente, ao lado de alguns livros vintage artisticamente colocados, incluindo a história das plantas alucinógenas de William A. Emboden, Narcotic Plants, e o roteiro de Paris, Texas.

+++ LEIA MAIS: Como Dua Lipa foi de abertura do Coldplay a headliner de festival no Brasil?

Lipa está encerrando uma reunião com sua equipe em outra parte da casa, mas em poucos minutos, ela entra na sala de estar. Ela está no meio de uma blitz promocional que inclui aparições em rádio, sessões de fotos e conteúdo nas redes sociais. Embora esteja vestida de maneira casual, com jeans e um moletom do Palace Unitas, seus olhos estão marcados com um delineado esfumado e pesado, de uma aparição na câmera naquela manhã. Seu cabelo vermelho está solto, exceto por duas pequenas tranças que emolduram o rosto.

Lipa começou a trabalhar em músicas novas em 2021, muito antes de começar a turnê do Future Nostalgia. Na época, ainda não estava claro se haveria uma turnê, dadas todas as delongas relacionadas à pandemia e preocupações com a saúde. "Eu pensei, 'Poderia muito bem voltar ao estúdio e começar a trabalhar em um novo projeto.' E para mim, eu só preciso escrever muito até ter minha ideia."

O álbum não tomou forma até depois da segunda perna de sua turnê de um ano ter terminado. A data exata — talvez tenha sido em junho? A testa de Lipa se enruga enquanto ela tenta se lembrar, e porque precisa ser precisa, ela pula do sofá laranja onde estamos sentados e caminha em direção à aparentemente normal parede de tijolos brancos ao nosso lado. Acaba sendo uma porta secreta para seu quarto.

"É tão pesada", ela resmunga, lutando para abri-la. Mas ela retorna segurando um caderno grosso que comprou na CVS, coberto por rascunhos abstratos e distraídos de Dua. As páginas estão cheias de anotações e letras escritas à mão, e ela vira para a data em questão — julho de 2022 — quando conheceu Kevin Parker, do Tame Impala, pela primeira vez. "Eu estava tão nervosa porque sou apenas uma fã do Kevin", diz Lipa.

Parker, ela lembra, "era bastante tímido no início". Ela o convidou para uma sessão com mais três pessoas com quem estava trabalhando naquele verão: sua colaboradora de longa data Caroline Ailin, que co-escreveu "Don't Start Now" e "New Rules", o autor de música eletrônica Danny L Harle (Caroline Polachek, Charli XCX), e o cantor de baladas folclóricas-pop Tobias Jesso Jr. (Adele, Niall Horan). Reunir essas quatro personalidades musicais distintas foi uma aposta arriscada que deu certo.

"Depois de um tempo, todos relaxamos juntos", recorda Lipa. No final do primeiro dia no 5DB de Londres, o grupo tinha "uma música realmente boa". No final da semana, tinham três. "Lembro-me de pensar que foi uma jogada genial reunir essa combinação de pessoas", diz Parker. "Tipo, parabéns para ela."

Dua Lipa (@michaelbaileygates x @minititleltd)

Lipa se refere a esse grupo específico como sua "banda"; eles acabaram fazendo oito das 11 faixas do álbum. Fora Ailin, todos eram em grande parte novos para ela. Ela admite que estava apreensiva em deixar novas pessoas entrarem em sua órbita: "À medida que as coisas ficam maiores, você fica mais assustada em se abrir e ser vulnerável, sentar em uma sala e falar do coração", diz ela.

Parte disso pode ser porque Lipa estava resolvendo várias coisas em sua vida pessoal — limites, pausas, equilíbrio. Em dezembro de 2021, bem quando estava entrando nos ensaios da turnê, os tabloides noticiaram seu rompimento com o modelo Anwar Hadid (irmão de Bella e Gigi Hadid), com quem namorou por dois anos. Ela passou o ano seguinte voltando com cautela à vida de solteira. "Namorar, no geral, é um pouco confuso", diz ela, o que é de alguma forma reconfortante e assustador de se ouvir de alguém por quem até Margot Robbie confessou ter uma queda.

"Você pode conhecer novas pessoas por meio de amigos de amigos ou de pessoas em quem confia, porque [namorar] não é realmente tão direto quando você é, tipo, uma pessoa pública." (Lipa começou um novo relacionamento no ano passado, mas confirmou que estava solteira novamente por uma ligação em dezembro.)

De acordo com Ailin, eles "sempre começavam com a verdade". Lipa chegava às sessões com Ailin, Harle, Jesso e Parker, armada com histórias da noite anterior, narrando a jornada muitas vezes ridícula que é namorar na casa dos vinte anos.

O produto final é singular e completamente Dua Lipa: dance pop confiante, repleto de observações espirituosas prontas para legendas no Instagram. Muitas das músicas são cenas divertidas de clubes ou noites com amigos; as letras alternam entre avisos de que ela fará uma fuga rápida e otimismo sobre o que um primeiro beijo poderia se tornar. Não há baladas grandiosas, embora haja uma simulação habilidosa de uma balada que se transforma em um momento mais animado inspirado em Carole King e Fleetwood Mac. Em sua maioria, este álbum é pura felicidade pop, semelhante à sua abordagem em Future Nostalgia.

Dua Lipa (@michaelbaileygates x @minititleltd)

Lipa não fala detalhadamente sobre sua vida amorosa. As pessoas terão que buscar na música para ter uma ideia de seus pensamentos privados: Uma música contrasta harmonias leves com um retrato tumultuado de um relacionamento chegando ao fim: “We call it love but hate it here/Did we really mean it when we said forever?” ("Chamamos isso de amor, mas odiamos aqui/Será que realmente significava quando dissemos para sempre?"), ela canta. Mas outro destaque — um dos favoritos de Lipa no álbum — trata de maturidade e cura. A faixa sonora, sonhadora e midtempo, se desenrola como uma versão atualizada de "Cool" de Gwen Stefani. Nas letras, ela elogia o novo relacionamento de seu ex, chamando a nova namorada dele de "muito bonita", e encontra paz enquanto ele segue em frente: “I must have loved you more than I ever knew.… I’m not mad/I’m not hurt/You got everything you deserve” ("Devo ter te amado mais do que eu jamais soube... Eu não estou brava/Não estou machucada/Você recebeu tudo o que merece”).

"Quando você tem um sentimento como esse, você se sente realmente crescida porque você pensa, 'Oh, uau, sou um ser humano evoluído o suficiente para ver meu ex seguir em frente e me sentir bem com isso'", explica ela. Escrever sobre deixar ir sem animosidade foi uma experiência nova para Lipa:

"Acho que tive términos em minha vida em que senti que o único tipo de término possível era quando as coisas simplesmente terminavam muito mal", diz ela. "Terminar de uma maneira agradável foi algo tão novo... Me ensinou muito."

Quanto ao som do álbum, ela voltou sua mente para a cultura dos clubes britânicos e o tipo de abandono despreocupado que ela sente quando está na pista de dança. Os colaboradores de Lipa ajudaram a liberar essa energia: Ela conheceu Harle em "uma afterparty de um afterparty de um show" através de Andrew Wyatt, que co-escreveu o primeiro single de Lipa, "New Love", bem como seu sucesso "Barbie". Wyatt e Harle tinham feito coisas para Polachek, que abriu a turnê de Lipa. Eles também trabalharam com um colaborador menos esperado que chamou a atenção de Lipa: o ex-vocalista do Oasis, Liam Gallagher. No álbum de Gallagher, Harle foi creditado como um "consultor rave" responsável pelo elemento breakbeat na faixa de 2022 "I'm Free", que ele co-produziu com Wyatt.

"Dua realmente gostou disso", diz Harle. "Dua gosta de ir a uma rave." (Isso é verdade: "Eu amo estar na pista de dança, e ser a primeira na pista de dança se ninguém mais estiver dançando", diz Lipa.) Outras inspirações vieram da criação de Lipa em Londres: As mixagens que tocavam tarde da noite na Radio 1 foram um grande guia; foi lá que ela ouviu pela primeira vez algumas de suas remisturas favoritas do Primal Scream, que eventualmente a levaram ao álbum de 1991 deles, Screamadelica. E além de Oasis e Blur, ela se viu recorrendo mais às bandas de rock e de música eletrônica dos anos noventa que ela cresceu ouvindo, como Moby e Gorillaz.

Eu menciono que algumas dessas influências do Britpop — Noel Gallagher e Damon Albarn em particular — nem sempre foram muito gentis com artistas pop femininas (ambos já criticaram artistas como Adele e Taylor Swift, por exemplo). Pergunto a ela se já conheceu algum deles.

"Na verdade, não tive nenhum encontro com eles", diz ela. "Às vezes você tem que separar a arte da pessoa... É mais como o elemento musical, o aspecto disso com o qual estou realmente conectada. A forma como [alguns artistas do Britpop] agiam, as coisas que fizeram, são detestáveis com certeza. Essa é uma das vibes deles."

Eles parecem representar uma certa versão da masculinidade tóxica do rock, eu digo, e Lipa concorda, ponderando sobre o que o mundo esperava dos astros do rock no passado. 

"Há tanta toxicidade na maneira como as pessoas queriam seus artistas ou seus músicos", diz ela. "Se eles não fossem assim, teriam sido vistos como chatos, e acho que é uma maneira tão ruim de ver as coisas."

Por mais cru e solto que pareça o álbum, o processo de Lipa foi detalhadamente minucioso. Os colaboradores chamam Lipa de uma editora "meticulosa" que reescreveu cada linha até sentir que estava perfeita. O primeiro single, "Houdini", por exemplo, levou meses para ser acertado. "Eu meio que recuava horrorizada e dizia, 'Ah, não, é um verso ótimo!'", diz Parker. "Mas uma hora depois, tínhamos algo que não consigo imaginar que não esteja na música."

"Eu não acho que tenha uma única música neste álbum que eu não tenha voltado e querido reescrever e aperfeiçoar e mudar e trabalhar um pouco mais e cavar um pouco mais fundo e ver se poderíamos ir mais longe", Lipa admite. Mas seu método funcionou: Cada um dos colaboradores elogia a química e a coesão que Lipa engendrou.

"Todos estavam dizendo, 'Isso é normal? Isso parece bom demais para ser verdade'", diz Jesso. "É o auge da minha carreira de compositor. Não há nada que você possa fazer melhor do que isso."

A verdade é que você não pode ser tão ambiciosa e precisa quanto Lipa é sem se importar. "Eu realmente me importo com a resposta dos fãs", diz ela. (Depois que "Houdini" foi lançado, ela ficou frustrada porque as pessoas diziam que ainda parecia "disco" quando nenhuma de suas influências vem de lá.)

"Eu estaria mentindo se dissesse que não me importo com o que os críticos pensam... Quando você coloca seu coração e alma em algo, você quer que as pessoas, coletivamente, digam, 'Ah, mudou sonoramente, e foi algo diferente.'"

“Eu estaria mentindo se dissesse que não me importo com o que os críticos pensam... Quando você coloca seu coração e alma em algo, você quer que as pessoas, coletivamente, digam, 'Ah, mudou sonoramente, e foi algo diferente.'”

Ela notou um padrão com todos os seus singles até agora, como eles não começam no topo e "crescem gradualmente" ao longo do tempo. "Eles demoram tanto e nunca chegam ao número um, mas permanecem por um longo tempo", diz ela. Não há irritação ou raiva em sua voz quando ela diz isso; enquanto o primeiro lugar nos Estados Unidos é certamente bom, a longevidade parece uma vitória conquistada com esforço.

“Contanto que as músicas continuem por aí e as pessoas estejam ouvindo, estou de boa com isso”, diz ela.

Quando é hora de ir embora, Londres está em um tom de cinza mais escuro. Lipa me acompanha até a porta, segurando meu casaco aberto para que eu possa enfiar os braços. Ela me conta sobre seus planos de jantar no BRAT, um restaurante com estrelas Michelin em Shoreditch, onde vai encontrar um amigo da escola primária. Depois de recomendar o negroni no restaurante para onde estou indo encontrar amigos, os portões se fecham atrás de mim. Como ela prometeu, o negroni é delicioso.

Dua Lipa (@michaelbaileygates x @minititleltd)

LIPA RASTREIA sua natureza meticulosa até quando era criança. Quando criança, ela administrava um blog chamado Dua Daily, um protótipo do Service95, onde compartilhava dicas de estilo e receitas. E como a mais velha de três irmãos, ela levou a sério tanto seu papel de irmã mais velha quanto seus trabalhos como formadora de opinião e superestrela pop. Seus irmãos estavam na escola quando a carreira de Lipa começou a decolar, e agora estão trilhando seus próprios caminhos; sua irmã quer ser atriz, enquanto seu irmão está produzindo música.

"É legal apenas vê-los terem seus objetivos", diz ela, sorrindo com orgulho. "Eu dizia, 'Oh, vocês querem vir aqui?' E eles diziam, 'Ah, não, estou ocupado. Tenho uma sessão de estúdio.'" Lipa vê seus pais, Anesa e Dukagjin, como seu modelo: Anesa estava estudando para ser advogada e Dukagjin era músico e dentista no Kosovo antes de fugirem de suas casas no início dos anos 90, quando a guerra da Bósnia eclodiu. O casal recomeçou completamente no Reino Unido, onde seus três filhos nasceram.

"Meus pais são realmente as pessoas nas quais eu olho para tudo", diz ela. "Enquanto eu era criança, eles nunca me fizeram sentir que algo estava errado. Eles sabem que tentaram me dar uma infância o mais normal possível, enquanto trabalhavam tão duro, em bares, restaurantes, pubs e tudo mais."

Quando Lipa tinha 11 anos, sua família voltou para a capital do Kosovo, Pristina, após a guerra. Parecia o paraíso para Lipa, que podia ficar fora até um pouco mais tarde e se movimentar mais independentemente nas ruas da cidade, que, segundo ela, eram muito mais seguras do que as de Londres.

A escola, no entanto, era mais difícil. "Era muito mais avançada do que em Londres", diz ela, seus olhos se abrindo com a lembrança. Ciências, química e matemática eram particularmente difíceis. "As crianças estavam aprendendo coisas que eu achava que tinha tempo para aprender. Eu estava fazendo frações em Londres, e álgebra no Kosovo."

Felizmente, Lipa parece gostar de um desafio. Ela fazia apostas com sua mãe, como uma em que poderia furar o umbigo se tirasse A em matemática. Ela conseguiu um tutor e, eventualmente, o piercing.

"Talvez eu prospere sendo subestimada, ou talvez eu prospere com as pessoas dizendo que não posso fazer coisas", diz ela. "Para o bem ou para o mal, eu me jogo tão intensamente para acertar e torná-lo perfeito, torná-lo bom."

Mais cedo em sua carreira, seu comportamento discreto foi interpretado como falta de personalidade no palco. O meme "Go girl, give us nothing" (“Vai garota, nos dê nada”) decolou por volta de 2018 depois de ser deixado como um comentário em um vídeo de Lipa parecendo entediada ou cansada enquanto fazia um movimento de dança desanimado. É algo que Lipa menciona durante nossa entrevista, uma vez sem ser provocada e outra vez após ser questionada sobre quanto isso parece ter ficado com ela.

"Achei aquilo realmente doloroso e achei que foi realmente doloroso porque eu estava tipo, 'Finalmente estou fazendo algo que amo fazer, e estou sendo rejeitada, parece que não consigo fazer nada direito'", diz ela. "Não apenas isso, mas eu também estava sendo jogada pelo mundo. Muitas promoções, muitos ensaios, muitas coisas, e sem realmente ter tempo para aperfeiçoar nada."

Lipa começou a lançar "Houdini" no Instagram brincando com o tema ilusionista do homônimo da música, postando e deletando fotos de teaser até anunciar a data de lançamento da faixa. Ela também apagou seus últimos anos de Future Nostalgia e viagens ao redor do mundo no aplicativo. Mas, talvez involuntariamente, o tema se encaixou nas ideias de Lipa como uma estrela pop escorregadia, difícil de ser definida: Uma thread viral no X postou uma semana depois do lançamento de "Houdini" a descreveu como um "mistério", com traços de personalidade indiscerníveis. "Ela está em todos os lugares e em lugar nenhum", dizia um post de acompanhamento.

Lipa fica frustrada com a conotação, especialmente porque parece ter a acompanhado por um bom tempo. "Eu acho que sou britânica", ela oferece. "Eu não acho que estou aqui para derramar minha alma em um talk show porque vai ser bom para um ciclo de notícias ou chamar a atenção... Por mais que as pessoas achem que conhecem seus ídolos,, na verdade eu não acho que saibam nada sobre elas mesmo."

A maior parte do tempo, Lipa conduz seus movimentos empresariais em silêncio. É por isso que seus fãs ficaram chocados quando ela silenciosamente se separou de sua equipe de gestão da TaP em 2022. Um amigo a ajudou a se conectar com Ben Mawson, CEO da TaP, em 2013, quando ela era apenas uma adolescente que trabalhava como garçonete em Londres. Após a notícia de que Lipa estava deixando a TaP, ela contratou seu pai como seu gerente, revertendo o curso normal das mudanças de gerenciamento na música pop.

"Para ser bem honesta, não posso falar muito sobre o assunto", diz Lipa, mencionando a natureza litigiosa da situação. (Ela afirma que houve um acordo que permitiu que ela recuperasse os direitos autorais de sua música; um porta-voz da TaP confirma que Lipa comprou seus direitos autorais em 2023, um ano após o término de sua relação de gerenciamento.) A experiência reafirmou o quão importante é para ela estar bem versada tanto no lado comercial quanto nos elementos criativos de sua carreira.

"A parte criativa é a forma como me expresso, mas acho importante poder entender também que este é o meu nome, isso é o que eu represento, estas são as coisas que são importantes para mim, e como isso realmente se alinha com a arte nos dias de hoje".

Ela oferece um aviso aos artistas mais jovens: "Prestem atenção desde o início, especialmente no lado comercial... Acho que não há pessoas o suficiente dizendo aos artistas mais jovens isso. Tudo parece tão empolgante no início, e claro que é, mas é bom ter conhecimento e cuidar de si mesmo."

Lipa menciona "conhecimento" frequentemente. Ela compreende a forma como o público em geral a enxerga e às outras cantoras pop femininas, recusando-se a acreditar que são mais do que sua aparência ou seus sucessos.

"Não sei se as pessoas acreditam que gosto de ler livros, ou se acreditam que é só conversa minha", diz ela. Parece um pouco resignada, até frustrada, com quão limitadora essa percepção pode ser. "Acho que é uma questão do que as pessoas querem de seus ícones pop", diz ela.

"Elas não querem que você seja política. Elas não querem que você seja inteligente. Não que eu esteja tentando provar isso de alguma forma, mas há muito mais em mim do que apenas o que eu faço."

Lipa volta às experiências de seus pais e como isso moldou sua visão de mundo. "Minha existência é meio política, o fato de eu ter vivido em Londres porque meus pais saíram da guerra." Ela não quebra o contato visual enquanto diz isso, séria em seu tom. 

"Sinto pelas pessoas que têm que deixar suas casas. Pela minha experiência de estar no Kosovo e entender o que a guerra faz, ninguém realmente quer deixar sua casa. Eles fazem isso para se proteger, para salvar a família, para cuidar das pessoas ao seu redor, esse tipo de coisa, por uma vida melhor. Então, me sinto próxima disso."

Lipa sentiu dificuldade em manter-se em silêncio sobre diversos assuntos, especialmente aqueles similares aos que seus pais enfrentaram durante a guerra. É por isso que há tempos ela vem se tornando uma voz poderosa pelos nativos da Palestina. Mas em 2021, o The New York Times publicou um anúncio de página inteira pelo rabino Shmuley Boteach e pela World Values Network, acusando a artista e as irmãs Hadid de antissemitismo por apoiarem a libertação palestina. Lipa então usou as redes sociais para condenar as acusações feitas pela organização - bem como o jornal, por publicar o anúncio. Um ano depois, ela convidou o editor do jornal, Dean Baquet, para seu podcast e perguntou-lhe como o veículo poderia publicar "algo tão nocivo e potencialmente perigoso".

+++ LEIA MAIS: Dua Lipa teria desistido de lançar música devido à guerra entre Israel e Palestina; entenda

"Falar com um editor foi importante para mim porque senti que fui colocada em perigo e colocada em um local em que meus valores internos foram completamente mal interpretados, e isso realmente doeu porque sinto que quando quero falar sobre alguma coisa, espero que as pessoas interpretem pelo que realmente é, que é sem intenções maliciosas", ela diz.

Mais recentemente ela assinou e manifestou apoio a uma petição pedindo o cessar-fogo na guerra entre Israel e Hamas, que destruiu Gaza e desabrigou milhões.

"Meus sentimentos aos desabrigados são muito reais e esse é um assunto difícil porque é muito divisivo", diz. E então há uma mudança sutil enquanto ela reúne seus pensamentos. "Mas já um mundo em que é possível sentir por todas as vidas perdidas. E eu preciso dizer: eu não perdoo o que o Hamas está fazendo, a despeito do que o [anúncio no] The New York Times tenha dito [em 2021]. Toda vida é preciosa."

Enquanto continua, ela pontua o quão acha importante que as pessoas se eduquem propriamente sobre a crise, especialmente frente a uma desinformação crescente.

"Me sinto muito mal por toda vida israelense perdida no dia 7 de outubro", diz. "No momento, o que temos de olhar é para o tanto de vidas perdidas em Gaza, os civis inocentes e as vidas que continuam sendo perdidas. Simplesmente não existem tantos líderes globais tomando partido e se levantando sobre a crise humanitária que está acontecendo - e é isso que tem acontecido. O cessar-fogo precisa acontecer."

Como muitos, Lipa se sente impotente diante do conflito contínuo. Sua solução continua sendo se informar o máximo possível, enquanto utiliza sua plataforma para incentivar seus fãs a fazerem o mesmo.

"Provavelmente é mais fácil ser apolítico", diz ela. "Acho que não há um tipo de discussão profunda sobre guerra e opressão. Isso é algo que vimos acontecer repetidas vezes. Sinto que ser apenas uma artista e postar sobre algo não faz diferença suficiente, mas espero que apenas mostrar solidariedade, que às vezes é tudo que você sente que pode fazer, seja importante."

Dua Lipa (@michaelbaileygates x @minititleltd)

"VOCÊ FUMA?" Lipa pergunta, em pé na sacada privativa de sua suíte no Chateau Marmont. Ela traz dois Parliaments, lamentando que o hotel não tenha seus habituais Marlboro Lights; no ano novo, Lipa anunciaria que está parando de fumar completamente. Ela se senta cuidadosamente no vestido estruturado de couro da Jacquemus que está usando para a noite. (É muito mais fácil de manobrar do que o vestido que ela usou no Globo de Ouro em janeiro; ela postou um vídeo dela mesma lutando para se sentar em seu vestido customizado apertado da Schiaparelli após o show.) Ela acende ambos os cigarros enquanto olha para o mar de outdoors na Sunset Boulevard.

Lipa gosta de vir ao Chateau quando está em Los Angeles, com sua vibração misteriosa e a chance de encontrar pessoas conhecidas no restaurante exclusivo e cheio de celebridades lá embaixo.

"Se essas paredes pudessem falar, eu me pergunto o que diabos elas diriam", diz ela antes de dar uma tragada em seu cigarro. Acima do zumbido tranquilo do tráfego abaixo, ela fala sobre as histórias de fantasmas que ouviu sobre este lugar. "Eu não entraria no Bungalow Three", diz ela, referindo-se ao local onde John Belushi morreu. Sua curiosidade paranormal é reservada para os túneis secretos que ela ouviu falar sob a propriedade de Harry Houdini em Laurel Canyon. Estaremos indo lá em breve para o segundo dos três eventos para fãs de "Houdini" que ela está organizando.

De volta à sua suíte, sua equipe glamourosa está organizando racks de roupas de designer, organizando o que podem. Em dois dias, Lipa partirá para Tóquio para outro evento para fãs, depois voltará para Los Angeles para promover Barbie antes da temporada de premiações. No intervalo, ela voltará a Londres, depois a Nova York algumas vezes, e até fará uma viagem com as amigas para Copenhague. Ela encerrará o ano na Índia com sua família, uma breve pausa antes de começar a se deslocar pelo mundo novamente para mais do mesmo.

Embora sua carreira como cantora seja a prioridade, ela se pergunta se há um futuro em que seu caminho mude, comparando o estrelato pop a "uma roda de hamster".

"Você lança o álbum, o promove, faz a turnê, faz a mesma coisa, e isso é incrível, mas acho que vai chegar um momento em que talvez eu queira levar um pouco mais de tempo [entre],", confessa ela. "Eu tenho todas essas outras coisas que também posso fazer e que realmente me interessam."

Lipa estabeleceu sua própria empresa de produção, publicação e gerenciamento, a Radical22, com a qual está dando vida aos seus projetos de paixão. Isso inclui um documentário sobre seu adorado bairro londrino de Camden, que ela está produzindo executivamente com a Disney+. Ela tem aproveitado o processo de agendar entrevistas com artistas como Little Simz, que aparecerá no documentário, e outros nomes associados à cena musical e artística da área.

Após sua participação como a Barbie Sereia em Barbie, ela interpretará uma espiã elegante na comédia Argylle de Matthew Vaughn, que será lançada este ano. "Foi muito divertido, mas uma grande curva de aprendizado", ela admite. "Lembro-me quando Matthew entrou em contato comigo para fazer uma participação nisso, eu [pensei] que deveria fazer algumas aulas de atuação." Vaughn a persuadiu a não fazer, esperando que ela apenas fosse ela mesma diante das câmeras. "Se ela estava nervosa, escondeu bem", diz Vaughn. Ele procurou a estrela depois de vê-la usando um vestido brilhante da Valentino no The Graham Norton Show. ("Era meio parecido com uma decoração de Natal com pernas e braços", diz ele. "Ela parecia incrível.")

+++ LEIA MAIS: Dua Lipa, Harry Styles e mais 7 cantores que também atuam [LISTA]

Há outras coisas que Lipa quer realizar: ela pode se ver morando fora do Reino Unido um dia, talvez em Barcelona, ou Madri, ou Paris, ou Cidade do México. Ela tem aprendido espanhol e francês; aos 35 anos, quer ser mais fluente em ambos, assim como em italiano. "Quero conhecê-los todos", diz ela. "Eu fico com tanta inveja quando as pessoas estão falando em francês, ou espanhol, ou italiano, e eu estou tipo, 'Merda.' Eu só quero responder. Acho que posso pegar isso com bastante facilidade por causa do albanês, embora seja bastante diferente."

Ela começou a tocar violão, aprendendo recentemente "Knockin' on Heaven's Door". Talvez, daqui a alguns anos, ela faça alguns cursos universitários também. "Comecei a trabalhar tão jovem que sinto que vai haver um pequeno momento em que vou afiar um pouco mais as minhas facas", diz ela.

Logo, é hora de ela ir para a Houdini Estate, onde os fãs estão aproveitando o bar aberto, os tacos grátis e a pista de dança. Lipa faz uma entrada triunfal, descendo uma escada espiral e se juntando ao DJ atrás da cabine. Ela dança e canta junto com duas reproduções de "Houdini", pegando os telefones das pessoas para tirar algumas selfies e vídeos.

Ela vem e vai tão rapidamente quanto prometido. Ela pula para um dos três Escalades que transportam sua equipe pela cidade. Assim que ela está no carro, ela sai pela janela para me dar um abraço de despedida. Então ela parte, voltando em direção ao Chateau e seus fantasmas — e para onde mais a noite a levar.

Créditos:
Fotos: @michaelbaileygates x @minititleltd
Texto: @brittanyspanos
Tradução: @duduvalle
Editor de música: Christian Hoard
Editora de música sênior: @julyssa_raquel
Diretor criativo: @Joe_Hutchinson
Diretora de fotografia & diretora criativa interina: @Emma.V.Reeves
Head de vídeo: @kimberlyaleah
Diretora de produção: @tara__catherine
Stylist: @lorenzoposocco
Diretor de social media @waiss_aramesh
Editor de UX: @nthompson89
Editor visual sênior: @photoeditorjoe
Produtora de vídeo: @ilanawoldenberg
Produtora: @rhiannarule para @palm.productions.co
Produção executiva: @alexisdbooker
Vídeo: @macshoop
Cabelo: @peterluxhair
Assistente de styling: @raeannhayden para LP Studios Makeup Artist @ninapark Tailor @di_na_3005
Assistente de cabelo: @allieellishair
Assistente de maquiagem: @yukari.makeup
Assistente de produção: @jackclarke02 & @mustbetheseasonofthebitch Studio @smashboxstudios

Moda:
Vestido de couro por @HODAKOVA
Brincos por @lucasbauer.jewellery
Meia-calça por @wolford

Casaco preto por @fearofgod (3 imagens)

Camiseta verde por Long Sleeve top @mowalola
Underwear por @miumiu
Calçados por @maisonmargiela
Meia-calça por @wolford

Casaco vermelho por @ferragamo
Jeans por @celine by @hedislimane

Top vintage por @helmutlang via @morphine.online
Sutiã e cinto por @celine by @hedislimane
Jeans por @calvinklein

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!