4 lições que aprendemos com Sweet Tooth: preservação da natureza, diversidade e mais [LISTA]

Mistura de drama e fantasia, Sweet Tooth estreou na Netflix em 4 de junho de 2021

Camilla Millan Publicado em 10/06/2021, às 12h44

None
Sweet Tooth (Foto: Divulgação/Reprodução)

Um mundo pandêmico onde é preciso lutar para sobreviver - SweetTooth não parece tão distante da realidade atual. A série estreou em 4 de junho na Netflix para misturar essa situação pós-apocalíptica enquanto aborda elementos fantásticos que são essenciais para o envolvimento da trama: os bebês híbridos.

Enquanto o mundo sucumbia por um vírus, nasceram bebês que representam a mistura inusitada entre animais e humanos. A origem deles, desconhecida, é uma das grandes questões da humanidade fictícia da produção - e são esses bebês que transformam obstáculos em grandes lições sobre a vida e preservação do meio ambiente.

+++LEIA MAIS: 4 perguntas não respondidas em Sweet Tooth, nova série da Netflix [LISTA]

Baseada na HQ homônima de Jeff Lemire e produzida por Robert Downey Jr., a série da Netflix acompanha Gus (metade cervo, metade humano) criado pelo pai no meio da floresta. O menino aprende e viver e enfrentar a realidade pós-apocalíptica, além de se deparar com o choque do mundo exterior.

Com uma história envolvente, excelente fotografia e trilha sonora, SweetTooth é uma obra poética e necessária para se pensar o momento atual e a preservação do meio ambiente. A Rolling Stone Brasil separou 4 lições que aprendemos com a série; confira:

+++LEIA MAIS: Não sabe o que assistir? Ferramenta da Netflix escolhe título para o público; entenda

Manter a esperança

Principalmente em tempos de Covid-19, é difícil manter a positividade, mas SweetTooth mostra a importância de ter esperança. Ao invés de se prender às dificuldades, a série mostra, a partir da perspectiva de uma criança, a necessidade da curiosidade e de se arriscar a “sair do casulo”.


Importante cuidar da natureza

Na série, os humanos esgotam os recursos naturais e exploram a vida animal sem cuidado com as consequências. Como resultado, o vírus mortal surge e mostra a fragilidade da vida humana - e Sweet Tooth mostra que é necessário respeitar o meio ambiente.

+++LEIA MAIS: Oscar 2021: 3 lições que aprendemos com Professor Polvo, vencedor de Melhor Documentário [LISTA]

Não é recente a constatação de que o ser humano está destruindo a natureza, dizimando animais e desmatando florestas. Nesse ritmo, o mundo irá colapsar - seja com um vírus ou com mudanças climáticas avassaladoras. Por isso, o seriado mostra a importância de cuidar e respeitar a natureza.


Até onde as pessoas podem chegar?

A trama apresenta importantes dilemas que envolvem individualismo e sobrevivência: para garantir a vida de alguém querido, você sacrificaria outra pessoa? Esse questionamento é válido em diversos âmbitos da narrativa, e mergulha em uma reflexão importante dos limites de uma pessoa - ou da falta deles.

+++LEIA MAIS: 4 lições que aprendemos em Feel Good: ativismo, bissexualidade e mais [LISTA]

Considerados a causa do vírus, híbridos são caçados, mortos e vendidos. Contudo, a falta de ética também engloba o lado 'científico' para achar uma cura da doença. Em, Sweet Tooth, a individualidade humana é abordada na sua forma mais cruel, restando a pergunta: até onde as pessoas podem chegar?


Importância da diferença em Sweet Tooth

Por meio das crianças híbridas apresentadas na série, entende-se que é preciso haver o respeito pela diferença. Em um mundo repleto de preconceitos, esses seres especiais tentam mostrar a importância da diversidade.

+++LEIA MAIS: 3 motivos para assistir (e 3 para não assistir) Seaspiracy, novo documentário da Netflix

Assim, mesmo fantasiosa, Sweet Tooth se apresenta como uma obra extremamente relacionável com a realidade, combatendo preconceitos e violência presentes no mundo real.


+++ URIAS: 'AS PESSOAS ESTÃO COMEÇANDO A ENTENDER MAIS DE MIM' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL