Pulse

Mötley Crüe, Kiss e Frank Sinatra: 13 turnês de despedida que não marcaram o fim

Mötley Crüe é a primeira banda a voltar aos palcos após assinar um contrato legal de aposentadoria, mas não é a primeira a fazer shows depois de anunciar uma turnê de despedida

Rolling Stone EUA Publicado em 21/11/2019, às 09h48

None
Mötley Crüe (Foto: Ibl / Shutterstock)

Quando Mötley Crüe divulgou a turnê de despedida da banda em 2014, ele sabia que precisaria convencer as pessoas de que o anúncio era real e não um plano elaborado de marketing. Então eles assinaram uma cessação do contrato das atividades de turnê em uma coletiva de imprensa.

Contudo, os músicos nunca compartilhar o documento com o público, apenas declararam que nunca mais iriam realizar uma turnê. A estratégia parecia um pouco vaga, já que não existe nenhuma lei que impede alguém de fazer turnês, mas foi o suficiente para fazer os fãs acreditarem que era a última chance de ver a banda e lotarem os estádios pelo mundo.

Alguns desses fãs provavelmente ficaram um pouco surpresos com a recente notícia de que o Mötley Crüe vai voltar para os palcos em uma turnê com o Def Leppard e Poison, em 2020. Porém, eles não deveriam ter ficado surpresos, já que não é a primeira vez que uma banda anuncia uma turnê de despedida e depois faz outra (e possivelmente outra, e ainda outra).

veja abaixo 11 bandas que anunciaram a aposentadoria dos palcos e depois voltaram a fazer turnês.

(Observação: desconsideramos as turnês do Eagles, em 2005, e a de Phill Collins, em 2004, porque ambos deixaram claro que os fãs não deveriam ter levado a sério).

Mötley Crüe (2014)

Em 2014, a banda anunciou uma turnê de despedida e jurou que os integrantes nunca mais pisariam em um palco juntos. Na época, Nikki Sixx afirmou que o contrato assinado pela banda poderia ser quebrado, mas que nada iria convencer ele a voltar para as turnês.

“Legalmente, nós não podemos mais tocar. A única brecha que existe é: se os quatros integrantes concordarem em fazer, nós podemos anular nosso próprio contrato. Mas sabemos que isso não vai acontecer.”, disse o baixista.

Ele completou: “Tem pessoas nessa banda que se recusam a fazer isso de novo e você está falando com uma delas. Não tem nenhuma quantidade de dinheiro que me convenceria a fazer isso de novo, porque eu tenho muito respeito pela forma que estamos encerrando isso”.

Claro, Nikki, claro.


Judas Priest (2011)

Judas Priest declarou que não iria mais fazer turnês mundiais a partir de 2011. Segundo Glenn Tipton, aquele não era exatamente o fim da banda, mas provavelmente seria a última chance dos fãs verem os músicos ao vivo. A aposentadoria dos palcos durou apenas dois anos e a banda anunciou que voltaria realizar shows para promover o álbum lançado em 2013.

“Nós, uh, mentimos. É muito árduo lá fora - quase dois anos, o último, tocando duas horas e meia toda noite, em 4 ou 5 shows por semana. Mas nós curtimos cada segundo disso e nós dissemos que no fim não iríamos fazer mais turnês mundiais, mas não estipulamos uma data. E nós ficamos tão animados com o novo disco que anunciamos algumas datas e vamos ver para onde isso vai”, disse o guitarrista.


LCD Soundsystem (2011)

LCD Soundsystemfoi outra banda que se despediu das turnês em 2011. No ano anterior ao anúncio, James Murphy já havia falado que estava cansado da vida de estrela do rock e gostaria de um tempo para se dedicar à outras atividades além da música. Mas após 5 anos longe dos palcos, os músicos anunciaram o retorno.

“Sempre falamos sobre como nós nunca iríamos trair ninguém que se importa com a gente, mas aqui estamos nós. Recebemos a chance de fazer músicas novas com pessoas que eu me importo, que doaram uma grande parte delas para fazermos essa coisa estranha juntos e que queriam fazer isso de novo [...] Muitas pessoas que gostam da nossa banda estão muito felizes e estamos deslumbrados com a quantidade de reações positivas”, disse Murphy.


Nine Inch Nails (2009)

Em 2009, Trent Reznor anunciou: “O NIN está parando de ser uma banda que faz turnês ou uma banda que está o tempo todo na estrada. Eu acabei de alcançar o ponto em que isso invadiu todos os aspectos da minha vida. Eu nunca quis ser Gene Simmons, um cara velho que coloca maquiagem para entreter crianças como um palhaço indo trabalhar. Na minha paranoia, se eu não parar com isso, vou ficar assim”.

Contudo, o músico mudou de ideia após 4 anos. Reznor disse que ainda existiam muitas coisas que queria fazer na música e que não se importava com as críticas, pois conquistou um estado em que estava revigorado e inspirado para trabalhar novamente.


Phish (2004)

Em 2004, Trey Anastasio revelou que os integrantes da Phish estavam certos de que a banda deveria acabar enquanto estava no auge. Segundo o vocalista, os músicos não queriam se tornar caricaturas de si mesmos ou um ato de nostalgia e por isso tomaram a decisão de se afastar dos palcos.

Cinco anos mais tarde, Phish estava de volta e Anastasio disse: “ Nós estamos tentando criar um jeito de continuar tocando por um bom tempo. Para as pessoas em tempos difíceis, nós podemos fazer shows longos pelo puro prazer físico. Elas vêm dançar e esquecem os problemas. É como um compromisso de serviço”.


Cher (2002)

A estrela do pop Cher também já voltou atrás na decisão de se afastar dos palcos. Desde 2002 a cantora já falava em dizer adeus ao público e em 2014 anunciou: “ Essa é minha turnê de despedida. Eu nunca mais vou voltar. Eu juro por Deus”.

Porém, Cher quebrou a própria promessa e continua com shows e turnês até os dias de hoje.


Tina Turner (2000)

Outra diva pop que tentou se despedir das turnês e não conseguiu é Tina Turner. Em 2000, a artista disse estava já fazia shows há 44 anos e estava na hora de "pendurar os sapatos de dança”.

Mas mudou de ideia quando completou 50 anos e declarou: “Eu decidi que deveria fazer. Todos os artistas do meu tempo começaram a sair, todos os meus colegas. Parecia certo sair também”.


Kiss (2000)

Nos anos 2000, Gene Simmons afirmou que o Kiss iria parar de fazer shows de uma vez por todas. O músico disse: "Só não existem mais montanhas para escalar. Nós queremos sair com estilo, ao lado das pessoas que nos colocaram aqui, os fãs".

Foram necessários apenas dois anos para as estrelas do rock mudarem de ideia. Segundo Paul Stanley, a volta da banda é o resultado da vivência e do aprendizado deles como pessoas. Além disso, o vocalista e baixista admitiu que a reunião também aconteceu por causa de dinheiro e dos fãs.

"O que uma pessoa diz em um dia com total certeza pode mudar em outro momento. Eu estou fazendo isso por dinheiro ou pelos fãs? Os dois. E não vamos esquecer que não estou fazendo isso por mim", disse o vocalista.


Ozzy Osbourne (1992)

Ozzy Osbourne também se despediu dos palcos em 1992. Na época, o cantor disse: "Isso é absolutamente real. É o fim da estrada para mim. Eu tenho feito isso por 25 anos e quero ir para casa. Tenho uma casa que nunca vejo. Tenho um carro que nunca dirijo. Tenho uma família para a qual eu nunca volto".

Apesar do anúncio parecer bem convincente, Osbourne declarou três anos mais tarde: "A aposentadoria é uma droga. Não demorou muito para eu ficar impaciente e escrever músicas de novo".


The Who (1982)

Em 1982, Roger Daltrey disse que as novas formas de mídia tiraram o sentido das turnês pelo mundo. Além disso, o músico afirmou que a banda havia alcançado a fama máxima e não existia outro lugar para eles irem e que tocar em estádios maiores para mais pessoas seria como fazer uma paródia deles mesmos.

Sete anos depois, Daltrey voltou atrás e disse que o The Who gostaria de se reunir para o aniversário da banda. Ele disse: "Pete [Townshend] mudou de ideia. É o nosso aniversário de 25 anos. Nós vamos celebrar o fato de ainda estarmos aqui", anunciou o músico.


Elton John (1977)

Certa noiteElton John decidiu que não iria mais se apresentar para o público. Ele disse: "Eu tomei um decisão esta noite de que este será meu último show. Para mim, existem muito mais coisas do que tocar na estrada e essa é a última vez que eu vou fazer isso", disse o cantor em 1977. Porém, dois anos depois, John explicou que passava por um período difícil e foi necessário parar.

"Eu estava sob o efeito de drogas. Eu nunca fumei nada. Basicamente, sempre foi cocaína e um pouco de heroína, mas nunca com agulha, sempre ingerindo. Eu passei por um período de alucinações", confessou o cantor.


Frank Sinatra (1971)

Em 1971, Frank Sinatra anunciou a despedida dos palcos e explicou que havia muitas coisas que ele gostaria de fazer e que nunca fez, como, por exemplo, conhecer garotas e comparar uma casa.

Mas dois anos depois, o cantor declarou: "Não fique surpreso. Se Bobby Riggs pode voltar, eu também posso. Você pode questionar por que eu desisti de tudo em primeiro lugar. Na época, me pareceu uma boa ideia. Apenas procrastinar, jogava golfe e me divertia. Mas coisas que eu não previa continuaram acontecendo comigo. Por exemplo, depois de jogar golfe por dois anos, eu tenho 17 de handicap. Não é possível".


Cream (1968)

Em 1968, Eric Clapton revelou que os integrantes do Cream acreditavam que já tinham passado pelo auge da carreira e, naquele momento, estavam em "uma enorme viagem de ego". O músico também disse que gostaria de tocar blues contemporâneo e solos de guitarra diferentes do que tocava com a banda. Para ele, o grupo tinha morrido de tanto tocar para o público.

E os músicos mantiveram a palavra deles por 37 anos - na verdade, eles tocaram em duas cidades após a reunião de 2005. Mas foi em 2007 que a banda voltou oficialmente e Clapton anunciou que "continuamos capazes de tocar uns com os outros, eu pensei que seria um tributo adequado para nós mesmos".