38% dos manifestantes contra Bolsonaro na Paulista se negam a protestar com PT; entenda

Segundo pesquisa da USP, resistência da união com PT é grande entre manifestantes contra Bolsonaro que foram aos atos na avenida Paulista em 12 de setembro

Redação Publicado em 14/09/2021, às 16h59

None
Manifestação contra Jair Bolsonaro (Foto: Andre Borges/Correspondente)

Os atos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) realizados em 12 de setembro foram convocados por grupos de centro-direita e reuniram cerca de 6 mil pessoas na Avenida Paulista, em São Paulo. Segundo pesquisa da USP, 39% dos presentes são resistentes à união com o PT.

Conforme noticiado pelo Estadão, o lema “nem Lula nem Bolsonaro” norteou grande parte das manifestações realizadas ao redor do Brasil em 12 de setembro. A pesquisa do Monitor do Debate Político no Meio Digital, da USP, mostra que 85% dos manifestantes são favoráveis à criação de uma frente ampla contra Bolsonaro, mas 38% não iriam para rua com o PT.

+++LEIA MAIS: Atos bolsonaristas de 7 de Setembro 'não buscam ruptura institucional', diz Mourão

Dos entrevistados pela pesquisa, 37% disseram ser de esquerda ou centro-esquerda enquanto 34% de direita ou centro-direita. Devido à divisão entre movimentos de oposição a Bolsonaro, os atos não tiveram grande adesão.

Em entrevista ao Estadão, o professor da Universidade de São Paulo e um dos coordenadores da pesquisa, Paulo Pablo Ortellado, afirmou que 841 manifestantes, entre 13h e 17h30, foram entrevistados. A margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais e para menos.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro chama Lula de ‘9 dedos’ e culpa ex-presidente por alta na gasolina

Segundo Ortellado, o levantamento representa um “paradoxo” que pode ser corrigido apenas com a superação de “ressentimentos” entre petistas e outros segmentos da direita. O professor explica que a inclusão do PT na frente contrária a Bolsonaro é essencial:

“Trata-se de um partido hegemônico na esquerda, sem ele, nenhuma proposta de frente ampla é suficientemente ampla. Embora a pesquisa tenha constatado esse nó na direita, ele também está acontecendo do lado da esquerda, que tem a mesma dificuldade de ir pra rua com lavajatistas,” afirmou.

+++LEIA MAIS: Bolsonaristas falam em 'estado de sítio' que não ocorreu; assista aos vídeos

A pesquisa da USP também fez um levantamento de intenção de voto entre os que participaram da manifestação. Ciro Gomes (PDT), um dos presentes na Avenida Paulista teve a maior porcentagem (16%), depois o ex-presidente Lula (14%) e o ex-juiz Sérgio Moro (11%). Depois João Amoedo (Novo) e João Doria (PSDB), também presentes no ato, tiveram 8% e 7%, respectivamente. Outros 31% afirmaram não saber em quem votar nas eleições de 2022.