Bolsonaro elogia 'parceria' com China após ataques à Coronavac: 'Essencial para gestão da pandemia'

Apesar de fazer diversos ataques a Coronavac, o presidente Jair Bolsonaro elogiou parceria com a China durante reunião virtual dos BRICS

Redação Publicado em 09/09/2021, às 16h29

None
Jair Bolsonaro (Foto: Andressa Anholete / Getty Images)

Após fazer diversos ataques à vacina Coronavac, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) elogiou a “parceria” entre Brasil e China nesta quinta, 9, durante reunião virtual dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Segundo reportagem do Estadão, durante a declaração na reunião virtual, Bolsonaro citou a importância da parceria com o país asiático, e comentou que “parcela expressiva” das vacinas brasileiras é originária de insumos da China.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro volta a atacar Coronavac: ‘Quem tomou está morrendo’

Ao se dirigir ao presidente chinês Xi Jinping, Bolsonaro lamentou terem se reunido apenas uma vez desde o início do mandato, em 2018. Em seguida, afirmou: "A parceria se tem mostrado essencial para a gestão adequada da pandemia do Brasil."

Ataques de Bolsonaro à Coronavac

Apesar de elogiar a “parceria” no combate à pandemia, Bolsonaro protagonizou diversos momentos de ataques à vacina Coronavac, a qual é produzida pelo Instituto Butantan com os insumos enviados pela China.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro volta a descredibilizar Coronavac: 'Não posso tomar essa vacina de São Paulo'

Defendida pelo governador de São Paulo João Doria (PSDB), a Coronavac foi posta em dúvida diversos momentos pelo presidente Jair Bolsonaro. Em junho de 2021, por exemplo, o presidente afirmou que o imunizante não teria “comprovação científica”.

A fala de Bolsonaro não é verídica, conforme explicou o Estadão. A vacina Coronavac recebeu o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) após ter sido aprovada em diversos testes.

+++LEIA MAIS: SinoVac pediu fim de ataques de governo Bolsonaro à China para evitar atraso de insumos da Coronavac

No entanto, Bolsonaro continua a duvidar da eficácia do imunizante. Em agosto de 2021, o presidente afirmou erroneamente que quem tomou a Coronavac “está morrendo” — o que não é o caso.

Na época, Bolsonaro afirmou: "Olha o que está acontecendo com a Coronavac, ninguém tem coragem de falar. Gente que tomou as duas doses, foi infectada e está morrendo. Por que ela está morrendo? Porque acreditou nas palavras do governador de São Paulo que disse que quem tomasse as duas doses da Coronavac e for infectado jamais morrerá e a pessoa fica em casa, achando que tomou as duas doses e não vai morrer, e acaba morrendo."

+++LEIA MAIS: Bolsonaro sobre vacina contra Covid-19: ‘O tempo todo o pessoal enchendo’

Conforme explicou a Folha de S. Paulo, a Coronavac, assim como outros imunizantes contra a covid-19, não tem 100% de eficácia. A proteção maior da Coronavac é contra casos graves, hospitalizações e mortes, mas indivíduos imunizados também podem adoecer e falecer pela doença. O principal ponto é que a frequência de casos graves ou mortes pela doença é muito menor quando as pessoas foram vacinadas.