CPI da Covid terá reunião com juristas para apontar possíveis crimes de Bolsonaro

A CPI chega ao final na próxima semana, e deve reunir juristas para avaliar informações coletadas e apontar possíveis crimes de Bolsonaro

Redação Publicado em 14/09/2021, às 10h42

None
Jair Bolsonaro (Foto: Andressa Anholete / Getty Images)

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid chega ao fim na próxima semana, e deve fazer reuniões com juristas para receber parecer sobre possíveis crimes do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a gestão da pandemia.

Segundo noticiado pelo Globo, os últimos dias da CPI, que começou em 27 de abril de 2021, também devem ter uma cerimônia para familiares de vítimas da covid-19 para homenagear e dar espaço para um breve relato sobre a situação da pandemia em seus respectivos estados.

+++LEIA MAIS: Senadores da CPI da Covid querem enquadrar Bolsonaro por falsificação de documento

Além disso, na última semana da Comissão, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) entregará um relatório com o resultado das investigações acerca da gestão do governo federal durante a pandemia. Segundo Calheiros, a conclusão pode ser apresentada entre quinta, 23, ou sexta, 24, a depender do cronograma da CPI.

Entre os dias 14 e 20 de setembro, a CPI irá receber juristas reunidos pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior, o presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz, e o grupo Prerrogativas, com criminalistas.

+++LEIA MAIS: Responsabilização de Bolsonaro está mais próxima, aponta CPI da Covid

A reportagem do O Globo também afirma que a reunião com juristas pretende antecipar a discussão que irá fundamentar o relatório, assim como trazer uma perspectiva externa sobre uma possível responsabilização dos investigados, crimes potencialmente cometidos e a recomendação de indiciamento no relatório final.

Apesar de serem os últimos dias da comissão, o presidente da CPI da Covid Omar Aziz afirmou que os senadores ainda avaliam um “fato importante” que, caso confirmado, prorrogaria o trabalho. Em entrevista à GloboNews, falou em “fortes indícios” de que outros suspeitos participaram diretamente na compra da vacina indiana Covaxin.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro ironiza CPI da Covid por sugerir indiciamento por charlatanismo