Reclamação por falta de doses contra covid-19 é 'narrativa', diz Queiroga

Enquanto estados registram falta da 2ª dose da AstraZeneca, Queiroga afirmou que reclamação por falta de vacina é "narrativa" que não representa realidade

Redação Publicado em 14/09/2021, às 09h40

None
Ministro da Saúde Marcelo Queiroga (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga afirmou na segunda, 13, que a campanha de vacinação no Brasil é um “sucesso” e a reclamação por falta de doses é uma “narrativa” que não representa a realidade da imunização no país.

Conforme noticiou o G1, no contexto político atual, “narrativa” é utilizada para se referir a uma versão dos fatos que não é real. Segundo Queiroga, estados que não desrespeitaram o Programa Nacional de Imunizações (PNI) anteciparam a segunda dose e estão, inclusive, imunizando adolescentes.

+++LEIA MAIS: Ministério da Saúde anuncia 3ª dose de vacina contra covid-19 para 15 de setembro

No entanto, um levantamento do G1 divulgado na sexta, 10, apontou que a aplicação da segunda dose da Oxford/AstraZeneca foi suspensa em pontos de cinco estados brasileiros que não tinham o imunizante: São Paulo, Rio Grande do Norte, Tocantins, Rondônia e Mato Grosso do Sul.

Ao rebater as reclamações sobre falta de doses, MarceloQueiroga disse: "Falei que quem adotasse esquemas diferentes do PNI não teria garantias de doses". Em seguida, afirmou que o desrespeito ao PNI leva a “narrativas que faltam dose”: "Na realidade, muitos já avançaram além (dos públicos previstos), e se avançaram é porque tinha doses."

+++LEIA MAIS: Queiroga quer 'tirar de uma vez por todas essas máscaras' até fim de 2021

O ministro da Saúde também afirmou haver “reclamadores crônicos” no Brasil, e criticou diretamente o estado de São Paulo, do governador João Doria (PSDB): "Por que em uma comunidade ribeirinha tem vacina e no principal estado do país não tem? É porque lá no Amazonas estão seguindo as orientações do Programa Nacional de imunização. Você pode ver: quem reclama? Quem são os reclamadores crônicos? E aí você verifica as publicidades que fizeram. Não foi o Ministério da Saúde que fez a publicidade (do avanço na vacinação)"