Por que os Beatles lançaram o disco Abbey Road com erros propositais?

Os músicos, produtores e engenheiros de som ainda editavam o erro para evidenciá-lo na música

Redação Publicado em 16/01/2020, às 08h26

None
Capa do disco Abbey Road, dos Beatles (Foto:Reprodução)

Os Beatles tinham o curioso hábito de lançar músicas com erros propositais de gravação. No livro Here, There and Everywhere, o ex-engenheiro de som da banda, Geoff Emerick, revelou que os artistas gostavam das imperfeições e até as editavam para deixá-las mais claras nas faixas.

"Quando alguém cometia um erro e os outros gostavam, nós frequentemente deixávamos mais alto [durante a edição] para acentuá-lo", disse o engenheiro. 

"Polythene Pam", do disco Abbey Road, é uma das faixas que possui um pequeno erro de execução dos integrantes da banda. Durante as gravações, PaulMcCartney se empolgou e exagerou um pouco no glissando, técnica em que o baixista desliza os dedos entre as notas.

+++ LEIA MAIS: 50 anos depois, Abbey Road, dos Beatles, volta a ser extremamente popular

Ao perceber a falha, McCartney quis regravar a linha de baixo da canção, mas o Emerick, John Lennon, Ringo Starr e George Harrison acharam o erro ótimo e pediram para o músico deixá-lo na faixa.  

Além de McCartney, Starr também cometeu um deslize durante as gravações. Contudo, ao contrário do baixista, Starr fez questão de corrigi-lo. De acordo com Emerick, a decisão do baterista não foi nada simples, pois foi preciso gravar a percussão separadamente para depois colocá-la na faixa. 

George Martin, produtor da banda, era outro técnico que participava dos experimentos com os erros dos músicos. Os produtores buscavam novas formas para dar mais destaque aos as imperfeições, segundo o engenheiro.  

+++ LEIA MAIS: Ex-motorista dos Beatles vende icônico óculos de sol de John Lennon por US$184 mil

"Às vezes nós duplicávamos o erro com outros instrumentos para ficar ainda mais óbvio", contou Emerick.

O técnico ainda explicou que o objetivo dos músicos com os erros era chamar a atenção do público e criar algo para os fãs comentarem. Ele disse: "Era tudo sobre fazer uma brincadeira com os fãs [...] Dar a eles um presente, algo para falar". 

Ouça a faixa "Polythene Pam" aqui:


+++ CORUJA BC1: 'FAÇO MÚSICA PARA SER ATEMPORAL E MATAR A MINHA PRÓPRIA MORTE'