50 anos de Sticky Fingers: a história por trás do icônico disco dos Rolling Stones

Lançado em 23 de abril de 1971, Sticky Fingers apresenta grandes hits dos Rolling Stones e se tornou símbolo visual na cultura pop devido à capa ousada

Itaici Brunetti Publicado em 23/04/2021, às 10h33 - Atualizado às 10h48

None
Sticky Fingers, dos Rolling Stones (Foto: reprodução)

Em 23 de abril de 1971, há exatos 50 anos, era lançado Sticky Fingers, icônico álbum do grupo inglês The Rolling Stones. Com uma capa ousada, músicas sombrias, revolucionárias e hits certeiros, o trabalho vendeu mais de 3,5 milhões de cópias nos EUA e se tornou o mais vendido da banda até hoje.

Sticky Fingers levou dois anos para ficar pronto e foi o primeiro álbum lançado pela gravadora própria do grupo, a Rolling Stones Records, depois que o contrato com a Decca Records terminou. O disco também é lembrado como o primeiro com o guitarrista Mick Taylor, que ingressou à banda após a morte de Brian Jones, em 1969. 

+++LEIA MAIS: Keith Richards diz que hit dos Rolling Stones começou como uma piada

O trabalho contém algumas das canções mais famosas feitas pela dupla Mick Jagger e Keith Richards, como as baladas deliciosas "Wild Horses" e "Dead Flowers", as empolgantes "Bitch" e "Can't You Hear Me Knocking", e o eterno hit "Brown Sugar", possuidor de um dos riffs mais marcantes da história do rock. Na sombria "Sister Morphine", os Stones fazem referência às drogas. 

Capa icônica

No entanto, Sticky Fingers transcende a música - não a deixando em segundo plano, de jeito nenhum -, e se tornou um símbolo visual para a cultura pop por dois motivos:

Foi a 1ª vez em que o famoso logotipo dos Stones (o da boca com a língua para fora, criado por John Pasche em 1970) apareceu em um disco do grupo. E também por apresentar uma capa ousada em que foca na virilha de um homem usando calça jeans, símbolo jovial e de rebeldia eternizado por James Dean em Juventude Transviada (1955). 

+++LEIA MAIS: Por que Mick Jagger desistiu de escrever autobiografia?

Criada pelo cultuado artista plástico americano Andy Warhol, a pedido de Mick Jagger, a arte que ilustra a capa de Sticky Fingers  foi eleita como a 22ª melhor de todos os tempos pela Billboard, e escolhida pela rede de televisão VH1 como a melhor capa de disco da história da música.

De acordo com matéria da Voguepara celebrar o 50º aniversário do disco, até hoje não se sabe exatamente quem é a pessoa que vestiu a calça usada na capa, pois vários modelos participaram da sessão de fotos. Anteriormente, especulava-se que a pélvis era de Mick Jagger, mas já foi comprovado que não era a do vocalista. 

O vinil de Sticky Fingerstambém se tornou um item muito desejado pelos fãs dos Rolling Stones e colecionadores dos bolachões em geral. Com um design artístico inovador, um zíper de verdade foi implantado na parte frontal da capa, sendo possível abri-lo manualmente. 

+++LEIA MAIS: O dia em que Mick Jagger protestou contra a Guerra do Vietnã - e a experiência resultou no hit 'Street Fighting Man' [FLASHBACK]

Posteriormente, a obra de arte criada por Andy Warhol para Sticky Fingers foi homenageada no álbum Too Fast For Love (1981), do Mötley Crue, Like a Prayer(1989), de Madonna,  e Welcome to The Monkey House (2003), da banda The Dandy Warhols


+++ HAIKAISS | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL


+++SAIBA MAIS: As 6 melhores músicas de Kurt Cobain [LISTA]

No dia 5 de abril de 1994, o lendário e inesquecível vocalista do Nirvana, Kurt Cobain, se suicidou aos 27 anos com um tiro na cabeça em Seattle, Washington, Estados Unidos. Desde então, deixou saudades eternas.

Marco para o grunge, músico fascinante, artista memorável e um dos principais nomes da música, Kurt Cobain fez história ao longo da carreira, principalmente acompanhado do Nirvana

+++LEIA MAIS: 10 curiosidades sobre Kurt Cobain que você - provavelmente - não sabia [LISTA]

As canções compostas pelo vocalista para o grupo relembram o quão importante e fantástico ele foi para a história da música. Faixas impecáveis como "Come As You Are", "All Apologies" e "Drain You" dificilmente serão esquecidas.

Para relembrar a grandiosidade do lado artístico de Kurt Cobain com o Nirvana, a Rolling Stone EUA listou as 6 melhores músicas da carreira do vocalista com a banda. Confira a lista:

+++LEIA MAIS: Nirvana quase se chamou Skid Row antes de escolher nome oficial; entenda


6 - All Apologies

Uma grande canção da discografia da banda, "All Apologies" apareceu originalmente no disco In Utero (1993). No entanto, a versão mais lembrada, e possivelmente querida pelo público, é a gravação de novembro de 1993 para o MTV Unplugged

+++LEIA MAIS: Como foi a passagem do Nirvana pelo Brasil em 1993: noite com João Gordo e caos no palco; assista ao show completo


5 - Drain You

O Nirvana escreveu muitas das canções do Nevermind (1991) antes de gravar o disco, mas a Rolling Stone EUA lembra que "Drain You" foi composta durante as sessões. Kurt Cobain nunca revelou quem inspirou a canção de amor, porém, foi escrita apenas três meses após ele conhecer Courtney Love.

Com certa frequência, Kurt afirmava ser uma das músicas favoritas dele da discografia da banda, e eles a tocaram basicamente em todos os shows nos últimos três anos de atividade enquanto grupo.

"Penso que há tantas outras canções que escrevi e são tão boas [como 'Smells Like Teen Spirit']. Como 'Drain You'. Eu amo a letra e nunca me canso de tocá-la. Talvez se fosse tão grande quanto 'Teen Spirit', eu não gostaria tanto", contou à Rolling Stone em 1993.

+++LEIA MAIS: O dia em que Kurt Cobain teve overdose de heroína antes de tocar no Saturday Night Live [FLASHBACK]


4 - Come As You Are

Kurt Cobain era um grande fã dos Pixies e nunca escondeu isso. Muitas vezes, o músico  recorria ao método de composição usado pela banda. "Estou ficando tão cansado dessa fórmula. Nós dominamos isso", disse à Rolling Stone em 1993.

Segundo a Rolling Stone EUA, porém, um dos melhores exemplos da fórmula é "Come As You Are", o segundo single de Nevermind(1991). Para a RS EUA, a versão do Unplugged é particularmente poderosa, e o refrão continua assustador.

+++ LEIA MAIS: Fotógrafo encontra imagens inéditas de um dos primeiros shows do Nirvana no Reino Unido


3 - Heart-Shaped Box

Em uma entrevista de 1994 à Rolling Stone,Courtney Love lembrou-se de ter ouvido o processo de composição de "Heart-Shaped Box": "Tínhamos um armário enorme. E eu o ouvi lá trabalhando em 'Heart-Shaped Box'. Ele fez isso em cinco minutos."

Kurt Cobain começou a trabalhar na música no início de 1992, e a canção foi a escolhida como primeiro single de In Utero(1993). A Rolling Stone EUA lembra que o disco foi produzido por Steve Albini, e a gravadora temeu não ser comercial o suficiente, e Scott Litt foi chamado para remixar a faixa. 


2 - Smells Like Teen Spirit

"Smells Like Teen Spirit" foi a canção que trouxe toda a atenção mundial para o Nirvanae deu início a uma nova era da música - e é um dos principais hits da história. "Eu estava tentando escrever uma música pop", disse o vocalista à Rolling Stone em 1993.

"Todo mundo se concentrou tanto nessa música e o motivo pelo qual ela teve uma grande reação é que as pessoas a viram na MTV um milhão de vezes", contou o artista na mesma entrevista.

+++LEIA MAIS: Quantos anos tinha Kurt Cobain quando escreveu 'Smells Like Teen Spirit'?


1 - Lithium

Não, a Rolling Stone EUA não escolheu "Smells Like Teen Spirit" para o primeiro lugar deste ranking. Segundo a revista, o terceiro single de Nevermind(1991) merece a colocação.

"Lithium" é uma música sobre um cara que passa a se dedicar à religião depois da morte da namorada. Isso o acalma, muito parecido com uma dose de lítio real. É uma incrível música e um dos principais destaques na discografia do Nirvana

+++LEIA MAIS: Dave Grohl diz que Kurt Cobain foi 'o maior compositor de sua geração'