Brooklyn Nine-Nine: 6 episódios com lições valiosas; racismo, assédio sexual e mais [LISTA]

À luz de movimentos como Black Lives Matter e #MeToo, Brooklyn Nine-Nine triunfou ao abordar questões sociais com comédia

Beatriz Bim (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 12/10/2021, às 11h20

None
Melissa Fumero e Terry Crews em Brooklyn Nine-Nine (Foto: Reprodução / NBC)

A sitcom Brooklyn Nine-Nine (2013) inovou ao apresentar uma delegacia de polícia de Nova York sob a ótica da comédia. No entanto, o mais interessante é a maneira como discussões socialmente importantes são introduzidas no enredo.

Alguns episódios concentram questões sociais, como as lutas da comunidade LGBTQ+ e preconceitos raciais. Outros revelam experiências cotidianas, por exemplo, sobre relacionamentos. Com a jornada dos personagens como linha condutora, os episódios engraçados ensinam lições valiosas.

+++LEIA MAIS: Brooklyn Nine-Nine: Última temporada teve 'muito choro nas horas erradas,' diz Andy Samberg

O show conta a história de um grupo fictício de detetives da 99ª delegacia de polícia de Nova York comandado pelo capitão Holt (Andre Braugher). Com oito temporadas, a sitcom americana retrata a vida dos profissionais, dilemas e questões pessoais, enquanto solucionam os crimes da cidade.

Com isso em mente, o Screenrant listou seis episódios de Brooklyn Nine-Nine com lições valiosas; confira:

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Brooklyn Nine-Nine (@nbcbrooklyn99)

+++LEIA MAIS: Roteiristas jogaram 4 episódios de Brooklyn Nine-Nine ‘no lixo’ depois de Black Lives Matter


Sr. Santiago (temporada 4, episódio 7)

Jake (Andy Samberg) tenta conquistar o  pai de Amy (Melissa Fumero), Sr. Santiago (Jimmy Smits), ex-detetive e homem severo. Para se preparar, elabora um fichário com todas as informações do policial na esperança de provar ser digno de se relacionar com Amy.

No entanto, Sr. Santiago encontra o arquivo do policial (nomeado “Guia do Jake Peralta para enganar o pai da Amy”) e fica impressionado com a pesquisa do jovem.

+++LEIA MAIS: Além de Brooklyn Nine-Nine: 5 papéis icônicos de Andy Samberg, de Hotel Transilvânia a Palm Springs [LISTA]

Jake também investigou os casos antigos do ex-detetive, incluindo um ainda aberto pela falta de uma pista considerada "óbvia" por Jake. Para tirar a prova de quem está certo, ambos investigam novamente o crime, e o jovem faz de tudo para resolver o problema. Quando falha, Sr. Santiago admite não gostar dele, além de desaprovar o relacionamento com a filha. 

Amy discute com o pai, pois ele não pode ditar a vida amorosa dela, muito menos forçá-la a se separar de Jake. A conversa ajuda a encontrar a solução do caso. Sr. Santiago, então, percebe: Jake e Amy se amam, e esse é o único fator importante na relação de ambos.

+++LEIA MAIS: Afinal, por que a Gina deixou Brooklyn Nine-Nine?


Com Tudo (t.1, e.16)

Capitão Raymond Holt conquistou os fãs como um personagem LGBTQ+ adorável e inspirador. Alguns episódios abordam as dificuldades de Holt no Departamento de Polícia de Nova Iorque por ser gay. A sitcom ensina importantes lições sobre o tema.

Como resposta à opressão, Holt criou a Associação de Policiais Homossexuais Afro-americanos de Nova York (AAGLPNY). Durante 25 anos, presidiu o grupo, mas o policial Brain Jensen (Marque Richardson) decide concorrer ao cargo.

+++LEIA MAIS: Brooklyn Nine-Nine - 4 curiosidades sobre a série: Melissa Fumero dançarina, inspiração de Scully e Hitchcock e mais [LISTA]

Holt, porém, não recebe bem a notícia. Pelos muitos anos de preconceito e luta, acredita ter mais direito sobre o colega, quem pouco enfrentou algo assim. Gina (Chelsea Peretti), então, abre os olhos do capitão, e relembra a motivação da associação: não permitir o sofrimento de nenhum outro policial - Jensen é prova do resultado positivo.


A Criança de Ouro (t.6, e.9)

Muita gente conhece a sensação de estar preso à sombra de um irmão, e à comparação constante a um parente aparentemente perfeito, sem erros e digno de conquistar todas as oportunidades. Apesar de Amy ser excepcional, sente nunca ser páreo para o irmão David (Lin-Manual Miranda).

+++LEIA MAIS: 6 Easter eggs de Brooklyn Nine-Nine que você provavelmente não percebeu [LISTA]

Quando David é acusado de portar drogas, a detetive fica contente pelo erro do irmão, mas, posteriormente, descobre ser apenas um disfarce para uma investigação real de David.

Durante a missão, Jake se encontra em perigo. Amy, rapidamente, esquece da competição com o irmão e preocupa-se apenas com a segurança do policial. Aprendemos a não deixar o orgulho atrapalhar os relacionamentos.

+++LEIA MAIS: Brooklyn Nine-Nine: Os momentos mais bizarros de Hitchcock e Scully na série


A minha Palavra contra a dele (t.6, e.8)

O episódio é um dos mais emocionantes da temporada, lançado à luz do movimento #MeToo nos Estados Unidos. Na trama, Amy encoraja uma vítima de assédio sexual a denunciar o agressor.

Rosa (Stephanie Beatriz) hesita, e questiona como o caso público prejudicaria a vítima, quem  perderia em todas as alternativas. Amy não concorda, e decide fazer de tudo para ajudá-la, mas não encontra evidências. A detetive fica, então, obcecada com o caso.

+++LEIA MAIS: Para superar Friends: 5 motivos para acreditar que Brooklyn Nine-Nine é uma série melhor [LISTA]

Jake, ao ver a situação, questiona a policial. Ela compartilha história sobre assédio sexual, motivo pelo qual transferiu-se para 99ª delegacia. O detetive a ajuda, e no final, resolvem o caso.

O episódio foi, definitivamente, instigante, e propôs debates sobre assédio sexual, o sistema patriarcal e como homens podem ajudar na luta.

+++LEIA MAIS: Brooklyn Nine-Nine: Os 5 fatos mais tristes sobre Rosa


Moo Moo (t.4, e.16)

Outra questão social importante abordada na sitcom é preconceito racial. Amy e Jake estão de babá das filhas de Terry (Terry Crews), mas perdem o cobertor - Moo Moo - de uma delas. Terry sai pelo bairro para encontrá-lo, mas é abordado e acusado por um policial por ser negro.

Após retirarem as acusações, Terry fica furioso e magoado com o incidente. Decide apresentar um relatório oficial, mas Holt não autoriza por temer repercussões negativas. Para o capitão, a melhor forma de mudar a estrutura é subir na hierarquia.

+++LEIA MAIS: Elenco de Brooklyn Nine-Nine doa US$ 100 mil para organização que arrecada fundos para pagamento de fianças

Terry, então, conta o motivo por decidir ser um policial quando criança, e o desejo de dar exemplo para as filhas. Holt, tocado pelo depoimento, reconsidera a decisão e envia o relatório.

Para muitos fãs, o instigante episódio foi essencial para discutir a consciência racial, ressaltar a luta da comunidade não-branca e abordar os preconceitos no sistema policial.

+++LEIA MAIS: Os melhores episódios de cada temporada de Brooklyn Nine-Nine [LISTA]


Noite de Jogos (t.5, e.10)

Mais uma questão LGBTQ+. Rosa revela ser bissexual aos colegas, em um raro momento de exposição pessoal da personagem.

A equipe a apoia prontamente, e a jovem pede ajuda de Jake para assumir aos pais. A situação não sai como planejado. Na noite de jogos em família, Rosa chateia-se com os pais pelo fato de não aceitarem quem ela ama. Isso gera uma tensão no relacionamento. Após sugerirem para policial seguir a tradição, Rosa, visivelmente abalada, vai embora com Jake.

+++LEIA MAIS: Brooklyn Nine-Nine: Por que Rosa não apareceu no começo da 7ª temporada?

No dia seguinte, a equipe, incluindo Holt, surpreende a amiga realizando uma noite de jogos entre eles. O capitão revela orgulho e admiração por Rosa. As palavras finais do personagem fecham o episódio com chave de ouro: "Sempre que alguém assume quem é, o mundo fica melhor, mais interessante."

Assista ao trailer da última temporada de Brooklyn Nine-Nine: