O que o filme Contágio acertou (e errou) sobre pandemia de coronavírus?

Nove anos depois de estrear nos cinemas, a produção de Steven Soderbergh acompanha a história de uma pandemia misteriosa que assola o mundo todo

Redação Publicado em 17/03/2020, às 19h51

None
Contágio (Foto: Claudette Barius / Warner Bros. / Reprodução)

Nove anos depois de estrear nos cinemas, o filme Contágio, de Steven Soderbergh, voltou a ser um dos 10 filmes mais buscados no iTunes em janeiro. Os números são consequência do surto de coronavírus.

A produção de 2011 acompanha Beth Emhoff (Gwyneth Paltrow), que, ao voltar da China para os Estados Unidos, desenvolve sintomas que parecem uma gripe, mas que evoluem até ela ser internada. Eventualmente, o mundo inteiro adoece e uma misteriosa pandemia se instala.

+++ LEIA MAIS: 7 filmes adiados por causa do coronavírus - Velozes e Furiosos, Lugar Silencioso e mais

As semelhanças com o COVID-19 são várias, no entanto, nem tudo retratado no filme também vale para a vida real. 

O site ScreenRant selecinou detalhes que a produção acertou, e que errou. Confira a lista:


Acertou:

Ásia

O coronavírus teve origem em Wuhan, cidade da China. Assim como na vida real, o filme também mostra que a pandemia do longa teve origem na Ásia.

+++ LEIA MAIS: Os Simpsons ‘previu’ coronavírus - e até que Tom Hanks ia ficar de quarentena


Transmissão

Na produção, as pessoas pegam o vírus a partir do toque com qualquer objeto ou pessoa infectada. Enquanto isso, o COVID-19 também pode ser passado pela aproximação e toque - além da contaminação por gotículas respiratórias.

+++ LEIA MAIS: 7 filmes plenos e fofos para assistir e relaxar na era do coronavírus [LISTA]


 Vacina em desenvolvimento

O investimento em tecnologia também é a melhor forma de prevenção de pandemias. O avanço das vacinas, tratamentos e diagnósticos permitem que os cientistas descubram com muito mais rapidez a origem e a cura para as doenças. No filme, os pesquisadores conseguem criar uma vacina para o vírus, enquanto isso, os trabalhos na vda real estão em andamento.

+++ LEIA MAIS: Coronavírus pode custar mais de R$ 22 bilhões à indústria cinematográfica mundial; entenda


Errou:

Extremamente fatal

Apesar do coronavírus ser facilmente transmitido, as taxas de mortalidade são de 3,7%, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). No filme, isso é diferente. A doença é extremamente fatal com uma taxa de 25-30%.

+++LEIA MAIS: Ryan Reynolds doa US$ 1 milhão contra coronavírus - e consegue fazer disso uma piada com Hugh Jackman


Jovens são os primeiros a morrer

Na ficção, os jovens foram os primeiros pacientes a morrerem, sendo que Beth, com 20 anos e pouco, foi a primeira fatalidade. Por outro lado, o coronavírus tem uma taxa alta de mortalidade com pessoas idosas e do grupo de risco. 

+++ LEIA MAIS: Ministério da Saúde e casas de shows ainda não têm planos para lidar com coronavírus em grandes eventos


+++ GUNS N' ROSES: 11 FATOS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A BANDA