Tudo o que sabemos sobre Army of the Dead: Invasão em Las Vegas, filme da Netflix dirigido por Zack Snyder

Filme chega ao catálogo da Netflix no dia 21 de maio

Redação Publicado em 29/04/2021, às 17h27

None
Pôster Army of The Dead (Foto: Reprodução/Divulgação)

Nesta quinta, 29, Zack Snyder usou o Twitter parar divulgar novos pôsteres de Army of the Dead: Invasão em Las Vegas e apresentar os personagens do filme original Netflix, dirigido e roteirizado por ele.

Com um elenco caprichado, além de contar com o cineasta à frente do promissor projeto, o filme deve ser uma grande aposta da Netflix para o mês de maio. Para entrar no clima de Army of the Dead: Invasão em Las Vegas, listamos tudo o que já sabemos sobre o longa-metragem: 

+++LEIA MAIS: Não sabe o que assistir? Ferramenta da Netflix escolhe título para o público; entenda

Lançamento

Army of the Dead: Invasão em Las Vegas chega ao catálogo da Netflix no dia 21 de maio. 


Elenco

Estrelado por Dave Bautista, o filme também conta com Ella Purnell, Omari Hardwick, Ana De La Reguera, Theo Rossi, Matthias Schweighöfer, Nora Arnezeder, Hiroyuki Sanada, Garret Dillahunt, Tig Notaro, Raúl Castillo, Huma Qureshi, Samantha Win, Richard Cetrone e Michael Cassidy no elenco. 

+++LEIA MAIS: 6 motivos para maratonar Sombra e Ossos, nova série de fantasia da Netflix [LISTA]


Equipe

O filme tem direção de Zack Snyder, responsável pela direção de fotografia também. O roteiro é assinado pelo cineasta ao lado de Shay Hatten e Joby Harold e o longa-metragem contou com produção de Deborah Snyder, Wesley Coller e Zack Snyder.


Sinopse

De acordo com a sinopse oficial: "Army of the Dead: Invasão em Las Vegas é ambientado em Las Vegas após um surto zumbi deixar a cidade em ruínas. Scott Ward (Dave Bautista), um desabrigado de Vegas e ex-herói da guerra zumbi que agora vende hambúrgueres nos arredores da cidade, é abordado pelo magnata dos cassinos Bly Tanaka (Hiroyuki Sanada) com uma proposta tentadora: invadir a cidade cheia de zumbis para roubar 200 milhões de dólares de um cofre antes de o governo bombardear Vegas em 32 horas. 

+++LEIA MAIS: Tudo o que sabemos sobre Sweet Tooth, nova série da Netflix produzida por Robert Downey Jr.: elenco, sinopse e mais

Motivado pela esperança de que a recompensa possa ajudar na reconciliação com sua filha, Kate (Ella Purnell), Ward assume o desafio e monta uma equipe de especialistas para o grande roubo. Entre eles: Maria Cruz (Ana de la Reguera), uma mecânica de primeira e velha amiga de Ward; Vanderohe (Omari Hardwick), uma máquina de matar zumbis; MariannePeters (Tig Notaro), uma piloto de helicóptero um tanto quanto cínica; Mikey Guzman (Raúl Castillo), um influenciador do tipo “é tudo ou nada”, e sua amiga inseparável Chambers (Samantha Win); além de Martin (Garret Dillahunt), o chefe de segurança do cassino; uma guerreira durona conhecida como Coyote (Nora Arnezeder), que recruta Burt Cummings (Theo Rossi), um segurança não muito confiável; e por fim um brilhante arrombador de cofres alemão chamado Dieter (Matthias Schweighöfer). 

Ward se depara com um obstáculo emocional quando Kate se junta à expedição para procurar Geeta (Huma Qureshi), uma mãe que desapareceu. Com o tempo passando, um cofre notoriamente difícil de abrir e uma horda de zumbis mais inteligente e rápida se aproximando, apenas uma coisa é certa no maior roubo já tentado: os sobreviventes ficam com tudo."

+++LEIA MAIS: Com tramas e personagens interessantes, Sombra e Ossos mergulha no universo potente da fantasia [REVIEW]


Novos pôsteres

Veja os novos pôsteres divulgados por Zack Snyder nesta quinta, 29:


Trailer 

Assista ao trailer oficial de Army of the Dead: Invasão em Las Vegas:

+++LEIA MAIS: Netflix quer lançar um filme por semana até agosto - veja títulos, datas de estreia e sinopses


+++ FBC E VHOOR | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL


+++SAIBA MAIS: Oscar 2021: 6 motivos para assistir Quo Vadis, Aida?, indicado a Melhor Filme Estrangeiro 

Quo Vadis, Aida? é um filme da Bósnia-Hezergovina indicado ao Oscar 2021 na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Aclamado pela crítica, o longa acompanha os esforços da tradutora da ONU Aida (Jasna Đuričić) na pequena cidade de Srebrenica durante a Guerra da Bósnia em 1995.

O filme histórico narra e reflete sobre o massacre de 8 mil cidadãos muçulmanos em 1995 na Bósnia. O drama se desenvolve a partir da dedicação intensa da protagonista Aida em proteger a família e a comunidade após a cidade ser invadida. 

+++LEIA MAIS: Oscar 2021: Conheça todos os indicados a Melhor Filme

Não é à toa que o longa-metragem escrito e dirigido por Jasmila Žbanić chegou ao Oscar 2021. Com uma história forte e potente, um desempenho encantador da atriz Jasna Đuričić e uma fotografia espetacular, Quo Vadis, Aida? soma 100% de aprovação no Rotten Tomatoes.  

Para aqueles que ainda não conhecem o intenso, profundo e complexo filme, listamos 6 motivos para assistir Quo Vadis, Aida?. No Brasil, o longa está disponível para aluguel nas plataformas de streaming Now, Vivo Play, Sky Play, iTunes, Apple TV, Google Play e YouTube.

+++LEIA MAIS: Oscar 2021 anuncia eventos especiais com performances de indicados; confira


Desempenho espetacular de Jasna Đuričić

Jasna Đuričić tem um desempenho espetacular como Aida. A atriz mostra as peculiaridades, singularidades, força, imperfeições e angústias da tradutora da ONU com muita profundidade, sentimentalidade e complexidade. 

Aida é o ponto central da narrativa - a personagem é necessária para que a história da pequena cidade Srebrenica durante a Guerra da Bósnia em 1995 se desenvolva, e consegue cumprir o papel da tradutora com uma intensidade magnífica. 

+++LEIA MAIS: Oscar 2021: 5 curiosidades de Judas e o Messias Negro, indicado a Melhor Filme


Intensidade complexa

Com muita complexidade e profundidade, a narrativa angustiante, realista e imparcial de Quo Vadis, Aida? dá um tom desesperador à história de Aida e da pequena comunidade de Srebrenica.

Não é um filme fácil de assistir, é desesperador e devastador, que deixa o telespectador completamente esgotado, exausto e horrorizado. No entanto, exatamente por este motivo, o longa se torna completamente necessário e admirável.

+++LEIA MAIS: Oscar 2021: 5 detalhes de figurino em A Voz Suprema do Blues [LISTA]


Fotografia

Com imagens cinematográficas que soam como cenas documentais devido à incrível elaboração, a fotografia de Quo Vadis, Aida? é um dos principais acertos do filme. Em diversos momentos da narrativa, as composições visuais são incrivelmente artísticas. 

+++LEIA MAIS: Oscar 2021: 5 motivos para assistir Soul, indicado a Melhor Animação [LISTA]


História

A história começa em julho de 1995 em Srebrenica, no leste da Bósnia, após a invasão militar na cidade. Sem voltas desnecessárias na narrativa, acompanhamos a guerra, que já dura três anos, e Aida é nosso guia para os horrores que aconteceram e acontecerão na cidade dela. 

Com excelência, Quo Vadis, Aida?  apresenta uma história necessária e urgente, que combinada aos elementos da narrativa, expõe o terror, o desespero e angústia da realidade de diversas famílias da Bósnia naquela época.

+++LEIA MAIS: Oscar 2021: 7 curiosidades sobre Minari, indicado a Melhor Filme [LISTA]


Sensibilidade

A partir da história íntima e familiar guiada por Aida e para além do desespero e angústia da Guerra, o filme traz momentos emocionantes de sensibilidade e humanização, em geral, protagonizados pela tradutora da ONU.

+++ LEIA MAIS: Oscar 2021: A Caminho da Lua segue narrativa previsível, mas encanta com visual radiante [REVIEW]


Roteiro potente

Com o ótimo desempenho dos atores combinados aos diversos elementos como trilha sonora e fotografia, Quo Vadis, Aida? se desenrola lentamente e os eventos do filme acontecem gradualmente.

Isso ocorre, porém, devido ao potente roteiro que busca causar reflexão nos telespectadores ao longo de todo o filme. Como comentamos, não é uma produção fácil de ser digerida e faz com que o público pense constantemente - e, tudo de maneira intensa, complexa e aprofundada.

+++LEIA MAIS: Oscar 2021: Na fronteira com documentário, Nomadland faz um retrato multifacetado da vida na estrada [REVIEW]