Por que Biden decidiu retirar soldados dos Estados Unidos do Afeganistão?

Atual presidente dos Estados Unidos, Joe Biden decidiu seguir com acordo de Donald Trump e retirar as tropas norte-americanas do Afeganistão

Redação Publicado em 17/08/2021, às 10h21

None
Joe Biden (Foto: Getty Images / Anna Maneymaker)

Em 2020, os Estados Unidos deram início ao plano de retirar os militares norte-americanos do Afeganistão e, logo em seguida, o Talibã avançou pelo país e tomou o controle da capital Cabul no último domingo, 15, de acordo com a BBC News Brasil.

Mas, afinal, por que os EUA decidiram sair do Afeganistão? Bom, primeiro precisamos entender o motivo do país ter instalado a força militar dele na região. Em 2001, depois dos ataques de 11 de setembro, os EUA e aliados entraram no país e retiraram o Talibã do poder - grupo acusado de apoiar a Al-Qaeda, segundo o G1.

+++ LEIA MAIS: Sem estudo, trabalho, dirigir e sendo apedrejadas: a vida da mulher governada pelo Talibã

Em 2020, Donald Trump fez um acordo com os líderes do Talibã para retirar as tropas do Afeganistão até maio de 2021. Na época, o grupo se comprometeu a combater a Al-Qaeda - grupo de Osama Bin Laden - e outros grupos extremistas.

Duas décadas após o ataque das Torres Gêmeas, Joe Biden seguiu o plano do antecessor e começou a retirar os militares do Afeganistão - a meta era terminar a ação até 11 de setembro de 2021, mas foi adiantada para agosto do mesmo ano.

+++ LEIA MAIS: O que é o Talibã e como ele assumiu o controle do Afeganistão

Após o Talibã tomar Cabul, Biden defendeu a decisão de retirar os militares norte-americanos do país. Em um pronunciamento oficial na Casa Branca, o presidente dos EUA confessou que ​​"isso tudo realmente se desenrolou mais rápido do que" pensavam.

Porém, o político seguirá firme no plano de retirada. "Eu mantenho com firmeza minha posição," disse Biden.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro convoca 'contragolpe' em mensagem no WhatsApp, diz site

Os argumentos de Biden

Biden declarou que precisava cumprir o acordo estabelecido por Trump para evitar ataques aos militares norte-americanos. O político também anunciou que ofereceria estadia para os afegãos que trabalharam para o governo dos EUA.

O presidente declarou que a missão inicial do país era punir Osama Bin Laden e evitar o estabelecimento de grupos radicais contrários aos EUA na região. Além disso, soldados afegãos foram treinados pelos norte-americanos, assim como o regime civil foi financiado.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro culpa governadores por alta na inflação: 'Política de fique em casa e economia vemos depois’

"Vamos continuar a financiar e dar equipamentos. E vamos garantir a capacidade de manter a força aérea."

Para Biden, os militares não tinham o objetivo de "formar uma nação" e a população afegã tem o "direito e responsabilidade" de decidirem "seu futuro e como querem administrar seu país."

+++LEIA MAIS: Lula acredita que Bolsonaro não tem força para dar golpe militar, diz jornal

Citando o números de mortes e gastos, o político revelou não ter planos de "mandar uma nova geração de americanos para a guerra no Afeganistão sem que haja uma expectativa razoável de alcançar um resultado diferente."

O presidente justificou o posicionamento dele com o argumento de que o terrorismo não se limita ao Afeganistão e é necessário guardar recursos para as "ameaças" do "sul da Ásia, Oriente Médio e África."

+++LEIA MAIS: Caminhoneiros negam greve convocada por Sérgio Reis: ‘Não nos envolvemos com política’

Biden ainda deixou claro que Trump deveria ter feito um acordo para evitar novos ataques após a retirada dos militares. "A resposta dos EUA será ágil e contundente," declarou o político sobre possíveis ações contra norte-americanos.


+++ CONFIRA TUDO SOBRE A BANDA 5 SECONDS OF SUMMER!