Pulse

Emicida emociona ao lançar o disco AmarElo no Theatro Municipal: 'Nos vemos nos livros de história'

Artista recebeu o público na sala de concertos paulistana em show com participações de Pabllo Vittar, Majur, Drik Barbosa e Jé Santiago

Pedro Antunes Publicado em 27/11/2019, às 17h54

None
Emicida toca no Theatro, importante centro arquitetônico de São Paulo (Fotos da matéria: Jeferson Delgado)

Emicida aperta os olhinhos de trás das lentes dos óculos de aro fino e fala sereno: “Para gente é mágico apresentar ‘AmarElo’  aqui”. Diante dele e banda está o público que lota o primeiro dos dois shows do rapper no Theatro Municipal, ícone da arquitetura do centro antigo de São Paulo e uma das mais importantes e históricas casas de concerto do Brasil, ambos nesta quarta, 27 - um às 16h e outro às 21h, com ingressos esgotados em 10 minutos. 

Emicida estava ali, talvez meio em transe, dada à calma mostrada quando conversou com a plateia pela primeira vez. Para ele, era um acontecimento gigantesco em termos de carreira. Para o rap nacional, representa ocupar um espaço que não lhe era dado, o Theatro, um espaço que carrega na própria história, invariavelmente, o elitismo cultural.

+++ LEIA MAIS: "Somos maiores do que os pesadelos que nos impuseram", diz Emicida sobre nova música

“É muito importante trazer um concerto de rap para cá”, diz Emicida, depois do primeiro par de músicas. “Sozinho, a gente não faz nada. Isso aqui é o resultado de um esforço coletivo. Essa conquista é de todos que vieram antes de nós.”

Rap no Municipal

Emicida sabe do impacto que a apresentação de AmarElo, o show de um rapper, tem e terá no futuro. "Vejo vocês no livro de história", disse ele, ao público. 

Ele brinca com o público o tempo todo, principalmente na segunda metade da performance, quando as pessoas deixam as cadeiras e se levantam no Theatro. "Eu tento ser um cara elegante, olha o lugar que eu arrumo para vocês. Não vamos perder a classe agora", brincou ele.

As duas apresentações serão filmadas e transformadas em um filme baseado no disco, um projeto que leva o nome de Experimento Social AmarElo. Interessante é que as imagens registradas pelas pessoas, e publicadas nas redes sociais, também serão incluídas na produção. 

Antes do show, quando foi anunciado que era permitido filmar e fotografar, diferentemente dos avisos antes dos espetáculos, o público vibrou com a notícia.  

No palco, com banda e participações

No palco, Emicida é acompanhado delo produtor do espetáculo Julio Fejuca (baixo, cavaquinho, violão e programações), DJ Nyack, Michelle Cordeiro (guitarra e violão),  Silvanny Sivuca (bateria, bateria eletrônica e percussão), Allan Abbadia (trombone e arranjos de metais), Buga (sax e flauta), Larissa Oliveira (trompete e flugelhorn), Jamah e Thiago Jamelão (backing vocals).

+++ LEIA MAIS: Com clipe de ‘Silêncio’, Emicida convida à reflexão sem uma palavra sequer; assista

AmarElo é o centro gravitacional da performance. O álbum de Emicida, lançado em outubro deste ano, é fruto de uma gigantesca pesquisa e um impressionante processo de ressignificação artística do rapper, no discurso e na estética musical. Um disco político, empacotado de “álbum  de canção”, com flertes com outros gêneros, como samba, e o uso de refrãos pop. 

Político, sim, porque pede por mudança. Ele não o faz à força, contudo: Emicida canta o amor. O amor é o elo, como o título do álbum já diz, que parece faltar no dia a dia.

+++ LEIA MAIS: Emicida apresenta AmarElo, novo disco, em horário nobre da TV Globo

Por isso, a trinca inicial de músicas foi tão importante. “A Ordem Natural das Coisas” (com participação de MC Tha), “Quem Tem Um Amigo (Tem Tudo)” e “Pequenas Alegrias da Vida Adulta” têm a importância de estabelecer o mood do que vira a seguir. “9nha”, música com Drik Barbosa, também se destaca ao vivo.

AmarElo, o concerto, não tem pressa de chegar ao clímax, atingido quando chega a música que dá nome ao disco e ao show. No Theatro Municipal, Majur e Pabllo Vittar repetiram a participação do estúdio. E foi explosivo.

De repente, a excelente e elogiada acústica do Thetro Municipal vibrava com versos de Belchior, incluídos na canção "AmarElo": "Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro / Ano passado eu morri / Mas neste ano eu não morro". 

+++ LEIA MAIS: Ilustradores recriam Emicida e Mano Brown como guerreiros orientais 

Depois dessa canção, Emicida parece ter saído do transe da calmaria e queimou o Municipal. Deixou o lado sereno e emendou canções que colocam dedos nas feridas de uma sociedade historicamente injusta e racista, como “Pantera Negra”, “Zica”, “Bang” e “Eminência Parda” - essa última trouxe Papillon e Jé Santiago, esse último, rap/trapper, é impressionante no palco. 

Com “Ismália”, com a participação de Larissa Luz, Emicida não freia o ímpeto e segue para o ataque. Ao fundo, a narração de Fernanda Montenegro presente no disco ressoa, poderosa, pelo Theatro Municial. Emicida ouve a gravação de olhos fechados.

+++ LEIA MAIS: "Belchior tinha razão": Emicida lança emocionante clipe de AmarElo com Pabllo Vittar e Majur

Depois dela, com “Levanta e Anda”, Emicida celebrou um dos seus maiores hits. Ali, o rapper brecou a banda. Silêncio. “Me emocionei”, disse ele, ao justificar o reinício da canção. “Que a gente nunca mais se contente com menos do que isso.”

Entre pancadas e carícias, Emicida extravasa seu AmarElo e sua carreira. No bis, enfileira “A Chapa é Quente”, “Gueto”, “Libre”, “Ubuntu” e “Passarinhos”. 

+++ LEIA MAIS: Exclusivo: Emicida faz homenagem à nova série de Neil Gaiman com a música "Final dos Tempos"; assista

Nada mais emblemático da caminhada de Emicida e o novo momento dele do que o verso escrito por ele para a música que deu nome ao disco, “AmarElo”: “Permita que eu fale, não as minha cicatrizes”.



E ali estava ele, Leandro, o menino que mordeu cachorro certa vez, de fome, e fez disso sua força, nome de um EP e combustível para ser Emicida, o rapper que está fazendo história - a dele, do rap, da música brasileira.

+++ LEIA MAIS: "Somos maiores do que os pesadelos que nos impuseram", diz Emicida sobre nova música
 
Setlist do Emicida no Theatro Municipal

“A Ordem Natural das Coisas” 
“Quem Tem Um Amigo (Tem Tudo)”
“Pequenas Alegrias da Vida Adulta” 
“Cananéia, Iguape e Ilha Comprida”
“Baiana”
“Madagascar” / “Alma Gêmea”
“9nha” / “Eu Gosto Dela”
“Paisagem”
“Hoje Cedo”
“Amarelo”
“Pantera Negra” / “Zica” / “Bang”
“Eminência Parda” 
“Boa Esperança” 
“Ismália” 
“Levanta e Anda”
“Principía” 

BIS

"Passarinhos"
"Gueto"
"A Chapa é Quente"
"Libre"
"Ubuntu Fristaile"