52 anos de 'Hey Jude': Relembre a história de um dos maiores hits dos Beatles

Música que retrata história pessoal de Paul McCartney e John Lennon foi lançada em 1968

Clara Guimarães Publicado em 30/08/2020, às 11h00

Paul McCartney e John Lenon (Foto: Dalmas Sipa Press / AP Images)
(Foto: Dalmas Sipa Press / AP Images)

Em um dia como este, há 52 anos, um dos maiores sucessos dos Beatles era lançado no Reino Unido. A composição que nasceu de uma experiência de Paul McCartney intimamente ligada à vida de John Lennon conseguiu conquistar o público, não só na época, mas também atual.

+++LEIA MAIS: O último encontro entre John Lennon e Paul McCartney

Assim como o Nirvana tem “Smell Like Teens Spirit”, o Queen, “Bohemian Rapsody” e os Rolling Stones, “Satisfaction”, os Beatles têm “Hey Jude”. Óbvio que o FabFour possui um repertório grande de faixas que poderiam ser usadas como um símbolo da banda, desde “Yellow Submarine” até “Let It Be”, mas a composição de Paul McCartney e John Lennon definitivamente está entre as mais populares.

“Hey Jude” ficou no topo do Billboard Hot 100 de 1968 e foi nomeada ao Grammy de 1969 nas categorias: Disco do Ano, Música do Ano, e Melhor Canção Popular. A música, incluída no Hall da Fama do Grammy, conquistou o 8º lugar no ranking das 500 melhores músicas de todos os tempos da Rolling Stone EUA. Mas como esse hit dos Beatles foi criado?

+++LEIA MAIS: As 5 músicas dos Beatles feitas por Paul McCartney que John Lennon mais gostava 

Composição

A música nasceu de uma experiência de Paul McCartney intimamente conectada à história de John Lennon. O cantor de “Imagine” havia acabado de deixar para trás a esposa, Cynthia Powell, e o filho, Julian, para ficar com Yoko Ono.

Macca visitou a esposa e o filho deJohn Lennon. O rapaz de Liverpool era como um tio para o menino, que se sentia trista por estar longe do pai. Por isso, durante a viagem, como forma de confortar e encorajar JulianPaul começou a cantarolar os versos que viram a se tornar famosos mundialmente: “Hey Jules, don’t make it bad, take a sad song and make it better…”.

+++ LEIA MAIS: A música dos Beatles ‘sem sentido’ que irritava John Lennon; claro que tinha sido escrita por Paul McCartney

Assim nasceu a primeira versão do hit dos Beatles. Depois, por questões de sonoridade musical, como explicou Paul em entrevista ao The Guardian, o nome mudaria para Jude. Outra mudança também seria a incorporação dos próprios sentimentos do Macca na composição.

Paul McCartney percebeu durante o processo de composição que o encorajamento também servia para ele próprio. O artista tinha acabado de ser abandonado pela noiva, Jane Asher, depois dela descobrir uma traição do membro do FabFour.

E é nessa congruência de experiências de McCartney que “Hey Jude” apresenta um discurso de encorajamento romântico misturado com a declaração paternal. A interpretação da música, portanto, está no ouvido de quem escuta, o que a torna universal.

Curiosidades

A faixa de quase sete minutos de duração é uma das mais longas dos Beatles. Em algumas partes é possível escutar a voz de John Lennon ou de Paul McCartney dizendo frases aleatórias - prováveis erros de gravações que foram propositalmente deixados como uma espécie de easter eggs para os fãs.

+++ LEIA MAIS: Há 56 anos, The Who reinventava o rock para o mundo com lançamento de 'I Can't Explain’

Por exemplo, aos 2 minutos e 58 segundos da canção, pode-se ouvir John Lennon dizer: “fucking hell!”. Paul McCartney também fala aos 5 minutos e 35 da canção, mas o conteúdo da frase ainda é alvo de discussão entre os fãs.

Alguns acreditam que o artista disse “pega o cavaquinho”, enquanto outros escutam: “The pain won’t come back, Jude”. Embora não saibamos a resposta, as inserções das vozes dos rapazes de Liverpool tornam a música ainda mais única e marcante para a história dos Beatles.