Mourão comenta impeachment após manifestações pró-Bolsonaro: 'Não há clima'

Segundo o vice-presidente Hamilton Mourão, adesão da população às manifestações pró-Bolsonaro é "expressiva"

Redação Publicado em 08/09/2021, às 11h28

None
Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)

Após participar das manifestações de 7 de Setembro favoráveis ao governo federal, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou que “não há clima” para o impeachment do chefe de Executivo Jair Bolsonaro (sem partido).

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, Mourão disse que a adesão da população aos protestos convocados por Bolsonaro foi “expressiva”, portanto não haveria “clima” no Congresso para seguir com a destituição do presidente:

+++LEIA MAIS: Bolsonaro volta a fazer ameaças golpistas ao STF e diz que 'só sai morto' da Presidência

"Não vejo que haja clima para ao impeachment do presidente. Clima tanto na população, como um todo, como dentro do próprio Congresso," afirmou Hamilton Mourão. Segundo o vice, o governo tem maioria dos deputados, deixando menos espaço para a aprovação de um impeachment.

"Acho que o nosso governo tem a maioria confortável de mais de 200 deputados lá dentro. Não é maioria para aprovar grandes projetos, mas é capaz de impedir que algum processo prospere contra a pessoa do presidente da República", disse (via Folha de S. Paulo).

+++LEIA MAIS: Modo como Bolsonaro trata Mourão gera mal-estar com Forças Armadas; entenda

Para Mourão, os atos representaram uma “mudança” no país: "Houve uma concentração expressiva da população brasileira (nos atos). É uma mudança. As ruas sempre foram domínios dos segmentos de esquerda."

O vice acredita ser necessário promover o diálogo entre Bolsonaro e o Judiciário: "Acho que existem cabeças ali dentro que entendem que isso foi além do que era necessário. Conversando a gente se entende."

+++LEIA MAIS: Presidente do Senado cancela sessões após ameaças golpistas de Bolsonaro

"Na minha visão existe um tensionamento, principalmente entre o Judiciário e o Executivo. Eu tenho a ideia muito clara que o inquérito que é conduzido pelo Moraes não está correto. O juiz não pode conduzir o inquérito. Acho que tudo se resolveria se o inquérito passasse para mão da PGR e acabou", continuou.

Relação entre Mourão e Bolsonaro

Apesar de Mourão se posicionar a favor das manifestações pró-governo federal realizadas na terça, 7 de setembro, a relação entre o vice e Bolsonaro está instável há alguns meses, segundo O Globo.

+++LEIA MAIS: ‘Grande erro’ do governo Bolsonaro na pandemia foi não orientar população, afirma Mourão

Em julho, Bolsonaro comparou o vice Mourão a um cunhado que “precisa aturar”. Em entrevista à rádio Arapuan (PB) na época, deu as declarações que potencializaram o atrito entre os dois.

"O Mourão faz o teu trabalho. Ele tem uma independência muito grande, por vezes atrapalha um pouco a gente, mas o vice é igual cunhado: você casa e tem que aturar o cunhado do teu lado. Você não pode mandar o cunhado ir embora," disse Bolsonaro. Questionado sobre as declarações do presidente na época, o vice respondeu “sem comentários”.

+++LEIA MAIS: Eleitores de Bolsonaro podem ficar confusos por aliança com Centrão, diz Mourão

Mourão também afirmou que não seria mais chamado a reuniões com Bolsonaro. Ainda, enquanto o presidente ameaçou não realizar eleições caso o voto impresso não fosse instalado, o vice disse: “Lógico que vai ter eleição (mesmo sem voto impresso), pô. Quem é que vai proibir eleição no Brasil?”


+++ CONFIRA TUDO SOBRE A BANDA 5 SECONDS OF SUMMER!