Guia Lollapalooza: 3º dia tem shows de Kendrick Lamar e Greta Van Fleet com a pressão do hype

O último dia do festival acontece neste domingo, 7, com a programação voltada para o rap e o rock

Nicolle Cabral Publicado em 07/04/2019, às 09h28

None
Kendrick Lamar e Greta Van Fleet (Foto: Divulgação / TF4)

E assim a oitava edição do Lollapalooza 2019 se encaminha para o fim. E, veja só, foi um festival intenso. 

A começar com a volta de um terceiro dia de Lolla, o que só havia ocorrido uma vez na história do festival e, em 2013, quando ele ainda era realizado no Jockey Club (na ocasião, os headliners foram The Killers, Black Keys e Pearl Jam). 

A o dia extra, a sexta-feira, 5, foi agitada. Rolaram os xingamentos de praxe ao presidente Jair Bolsonaro e shows elogiados de Arctic Monkeys, na fase mais madura, e os Tribalistas se despedindo da turnê. 

O sábado, por sua vez, foi caótico. As manifestações políticas voltaram, principalmente durante as apresentações de Liniker e os Caramelows e de Duda Beat, mas perderam força depois que o festival correu o risco de ser cancelado por conta dos ventos fortes, dos raios e da chuva que se aproximou do Autódromo de Interlagos

Isso não apagou o brilho do dia, com seu público total de 92 mil pessoas, 14 mil a mais do que na sexta. O protagonismo da noite ficou com Kings of Leon e Post Malone, duas atrações de peso que fizeram show sreveladores.  

+++ Da chuva, caos e o quase cancelamento aos shows redentores de Post Malone e Kings of Leon: o 2º dia de Lollapalooza

Depois de dois dias intensos que resultaram em pés doendo e a voz rouca para quem se propôs a fazer a maratona de Lollapalooza - a não ser, é, claro, que você tenha lido o nosso Guia de Sobrevivência Lollapalooza, o domingo tem mais um punhado de atrações imperdíveis.

É o domingo que vai trazer aos palcos paulistanos duas das atrações musicais mais faladas do mundo na atualidade pela primeira vez no Brasil.

De um lado é a vez de Kendrick Lamar, o único rapper a já ganhar o Prêmio Pulitzer com o disco DAMN, de 2017. 

+++ Kendrick Lamar no Lollapalooza: o que esperar do show no 3º dia de festival

Também é dia do Greta Van Fleet se provar. A jovem banda sofre com frequência com comparações com o lendário Led Zeppelin  e é bastante criticada por isso. Na estreia no Brasil, eles podem mostrar o contrário. 

+++ ESPECIAL: Tudo sobre o Lolla 2019: shows imperdíveis, revelações e dicas de sobrevivência.

A Rolling Stone Brasil preparou aqui um resumão do que esperar neste domingo, 7, de Lollapalooza, no Autódromo de Interlagos: 

Chuva, chuva e mais chuva 

Como no sábado, 6, quando o festival quase foi cancelado após uma forte tempestade chegar ao Autódromo de Interlagos, o domingo também promete pancadas de chuva ao longo de todo o dia. 

A previsão do tempo do site Climatempo revela que a máxima será 27ºC e a mínima 21ºC. O tempo será instável e nublado. Pancadas de chuva podem cair a qualquer momento. 

Lama pelo Autódromo 

É importante repensar o calçado para esse segundo dia seguido de chuva no Lollapalooza. A grama do Autódromo de Interlagos, na noite de sábado, 6, já era lama em partes de grande fluxo de pessoas. 

Galochas, embora desconfortáveis, são aconselhadas para este domingo. 

Um rapper vencedor do Pullitzer 

Colecionador de 12 Grammys, oKendrick Lamar chega pela primeira vez ao Brasil para apresentar o que teoricamente conhecemos dele no Palco Budweiser, às 21h.

Consagrado como um dos maiores rappers da sua geração, Kendrick, transpõe os horrores do cenário racista presente nos Estados Unidos com sofisticação e qualidade em seus cinco álbuns de estúdio.

+++ Kendrick Lamar no Lollapalooza: o que esperar do show no 3º dia de festival

Não é a toa que To Pimp a Butterfly, lançado em 2015, é a sua grande obra: denso, triste, imagético e irônico, tudo de uma vez só.

A preocupação com toda a estética do disco é impecável. Como definido pelo Pitchfork, "o álbum é uma celebração da coragem de acordar todos os dias para tentar viver algo melhor, mesmo sabendo que tudo pode acabar em um segundo, sem motivo algum".

O sucesso “Alright” foi diretamente associado ao movimento “Black Lives Matter” (Vidas Negras Importam, em português), recebeu quatro indicações no 58º Grammy Awards e venceu como Melhor Performance de Rap e Melhor Canção de Rap.

Em 2017, lançou o disco DAMN., cujo ganhou o prêmio norte-americano, Pulitzer, e trouxe o rapper para os holofotes novamente. Neste, Lamar  mudou o tom e na primeira semana de lançamento vendeu 600 mil cópias.

Mas afinal, diante a toda a magnitude do rapper, o que podemos esperar do show? Se tratando de sua primeira turnê na América do Sul, o repertório tem se baseado em seu último sucesso DAMN.

Nas edições deste ano do Lollapalooza Argentina e do Chile, a setlist de Kendrick se baseou em 42,1% em DAMN. (2017), 26,3% em good kid, m.A.A.d city (2012), 21,4% em covers - Travis Scott é a principal escolha do artista, e 10,5% em To Pimp a Butterfly. Tudo indica que encerraremos o último dia do festival ao som da trilha sonora de Pantera Negra, indicada ao Oscar: "All The Stars", em parceria com a SZA.

Artistas brasileiros sensoriais no começo da tarde 

Na primeira hora do festival, às 11h55, quem recebe a galera é o quarteto E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante no Palco Onix. Atualmente, os paulistanos são um dos principais nomes que representam o rock alternativo e instrumental no Brasil.

No final de 2018, lançaram o seu primeiro disco Fundação pelo selo da Balaclava Records. Jovens, surpreendem ao explorar o eletrônico e percussão, além de acrescentar os sons de guitarras com distorções. Vale a pena a pena dar um pulo para conferir. 

Na sequência, nos Palcos Budweiser e Adidas, às12h35, se apresentam Aláfia e Luiza Lian, respectivamente.

Aláfia, é um grupo musical que mistura o jazz, o rap e o rock e coloca como protagonista pautas como política, racismo e, principalmente, a ancestralidade em suas canções. O trio de vocalistas é composto por Xênia França, Eduardo Brechó e Jairo Pereira.

Na outra ponta do festival, acontece o show de uma das vozes mais notáveis da cena independente brasileira: Luiza Lian. Focada em explorar em suas composições a espiritualidade, o feminino, o sagrado e o profano, a cantora traz ao #LollaBR2019 um forte repertório visual e performático. Seu último lançamento foi o elogiado disco Azul Moderno, em 2018.

No meio dos brasileiros, dois fazendeiros franceses  

O duo de rock The Inspector Cluzo desperta curiosidade por serem completamente independentes na cena musical francesa. Com apenas uma guitarra e uma bateria, Mathieu Jourdain e Laurent Lacrouts fazem toda a composição, produção e gestão da banda.

Atualmente, eles são os artistas franceses que mais se apresentaram por todo mundo totalizando 52 países. Para o Lollapalooza 2019, o duo promete um show com um setlist personalizado.

Além de toda a produção ser feita pelos dois integrantes, um fato que chama a atenção é que eles são agricultores orgânicos profissionais na fazenda "Lou Casse".

No meio tempo dos shows, às13h20, no Palco Onix, aparece o curioso duo The Inspector Cluzo, que inclusive, entrou na nossa listinha do artistas "lado B" que merecem a sua atenção nesta edição do Lolla.

Rap nacional, com BK e Gabriel, o Pensador 

No início da tarde, para embalar as oito horas de festival pela frente, o Lolla recebe o grande rapper BK, às 14h10, no Palco Budweiser, com os seus discos Castelos & Ruínas (2016) e Gigantes (2018). O artista é uma revelação da nova geração de rappers do Brasil e recebeu com o seu primeiro disco, o prêmio de Melhor Disco do Ano da Música Nacional pela Red Bull Music, e de Melhor Álbum pelo Genius Brasil. Na última semana, lançou “Desarma” com a banda Scalene, que também participou do primeiro dia do festival.

Dando continuidade na tarde brasileira do festival, o Palco Onix recebe Gabriel, O Pensador, às 15h.

Pop e climão 

Às 14h10, Letrux levará seu repertório do disco Letrux em Noite de Climão para o Palco Adidas, para assim, seguirmos com uma programação cheia de artistas brasileiros talentosos dentro da cena independente.

Inclusive, confira aqui a nossa entrevista com a cantora e compositora sobre o desenrolar do “Letrux Em Noite de Climão” e os preparativos do novo disco que sai em 2020.

Ainda com artistas nacionais, existe uma grande expectativa para o show da IZA, cantora pop, que toca no mesmo Palco Adidas, às 16h05. 

A melancolia do Interpol

Agora, para abrir a sessão rock da oitava edição do Lolla, The Struts chega com o seu último disco YOUNG&DANGEROUS (2018), no Palco Budweiser, às 16h05. O grupo ficou conhecido após uma série de shows de abertura para o Motley Crue, além dos elogios de Dave Grohl como “melhor banda” que já abriu um show do Foo Fighters.

Às 17h10, para estrear no palco o último single “The Weekend”, lançado no final do mês de maio, o Interpol se apresenta no Palco Onix com os sucessos “The Rover”, “Number 10” e “If You Really Love Nothing”.

Greta Van Fleet vai mostrar a que veio? 

Iniciando a noite no festival, será a vez do divisor de opiniões: Greta Van Fleet. Constantemente comparado ao Led Zeppelin, pela pegada sonora de guitarras cheias de riffs e vocais agudos, a banda formada por quatro jovens músicos, um trio de irmãos de idade entre 19 e 22 anos, além do baterista.

A banda estreia no Lollapalooza com os discos Anthem Of The Peaceful Army (2018) e From The Fires (2017), ambos os álbuns com um híbrido som de rock, blues e soul. Para conferir o motivo da banda ser uma das mais comentadas desde 2017, dá um pulo (ou não) no Palco Budweiser às 18h15.

"Viemos porque nossos fãs pediram" 

Pela segunda vez, depois de revelarem que voltaram ao Brasil por causa dos fãs, Twenty One Pilots é sucesso nas rádios de todo o mundo. Formada por Josh Dun e Tyler Joseph, o duo coleciona prêmios, inclusive um Grammy, com o seu famoso disco Blurryface de 2015. Conhecidos por fazerem shows energéticos, TOP promete agitar o Autódromo de Interlagos com Trench (2018) no Palco Onix às 19h25.

Numa ponta dos shows da edição, o trio britânico Years & Years se apresenta com uma pegada voltada para o electro-pop, R&B e house dos anos 90. O grupo apresenta no Palco Adidas às 21h, com o seu mais novo disco Palo Santo e os sucessos “King” e “Shine” de 2015.