Lana Del Rey retorna com folk e experimentos sutis em Chemtrails Over The Country Club [REVIEW]

A artista se aventura por cantos inéditos e latentes da própria discografia enquanto explora a cultura e sonoridade americana

Julia Harumi Morita | @the_harumi Publicado em 19/03/2021, às 09h40

None
Capa de Chemtrails Over The Country Club (Foto: Reprodução /Twitter)

No dia do lançamento de Norman Fucking Rockwell! (2019), Lana Del Rey anunciou que não queria fazer pausas e que já trabalhava no sucessor do aclamado disco, pois não tinha terminado de encontrar “pequenas melodias especiais”.

Inicialmente chamado de White Hot Forever, a cantora afirmou que o projeto provavelmente seria lançado sem anúncios prévios entre agosto e setembro de 2020. Como sabemos, os planos mudaram - não só os de Lana, mas de toda a indústria da música. 

+++ LEIA MAIS: Para Bruce Springsteen, Lana Del Rey é 'simplesmente uma das melhores compositoras' dos EUA

No último mês de maio, a artista revelou que o disco se chamaria Chemtrails Over The Country Club e, em novembro, anunciou que o lançamento do disco seria adiado em 16 semanas por causa da produção de discos de vinil, a qual seria retomada apenas no dia 5 de março.

Após empecilhos e adiamentos, o sétimo disco de estúdio de Lana foi disponibilizado nas plataformas digitais nesta sexta, 19, pela Interscope Records e Polydor Records. A artista se juntou novamente a Jack Antonoff para escrever ou produzir as 11 canções do projeto, as quais também contaram com a participação de Rick Nowels e Nikki Lane - claro, sem contar a versão de "For Free", composta por Joni Mitchell

+++ LEIA MAIS: Com uma América em ruínas, disco Norman Fucking Rockwell de Lana Del Rey sobrevive aos destroços [ANÁLISE]

Chemtrails Over The Country Club é um disco familiar aos ouvidos daqueles que acompanham o trabalho de Lana ao longo dos anos. Ele conta com elementos característicos do universo literário da cantora: os diamantes, as referências artísticas, as localizações espalhadas pelos Estados Unidos junto com a estética vintage ensolarada.

Os primeiros singles do álbum, "Let Me Love You Like A Woman" e "Chemtrails Over The Country Club", poderiam muito bem ser canções extras em Norman Fucking Rockwell, ambas com pianos marcantes e camadas de vocais agudos.

+++ LEIA MAIS: Radiohead vs Lana Del Rey e mais: os 5 casos de plágio mais marcantes da história da música [LISTA]

Porém o disco não se resume à variações de antigas composições, como "Wild At Heart", que remete à "How To Disappear". Agora, Lana cita White Stripes, Kings of Leon e Tammy Wynette, e vai de Los Angeles para Arkansas e Louisiana.

Para abrir o disco, a cantora surge com vocais sussurrados, falhos e forçados para relembrar os verões da adolescência em que trabalhou como garçonete, descritos para a Rolling Stone EUA em 2014. 

+++ LEIA MAIS: Lana Del responde aos massacres nos EUA com a música “Looking for America”; ouça

Em "Tulsa Jesus Freak", por exemplo, a artista revisita sonoridades de discos anteriores e acrescenta sintetizadores inesperados, os quais distorcem o canto angelical dela. 

Mas é em "Wild At Heart" que Lana começa a transitar do indie pop e do soft rock para o folk com guitarras e percussões marcantes. Duas faixas depois, a artista imerge no gênero musical, oscilando para o country também, em "Yosemite" e "Breaking Up Slowly" - é preciso destacar os vocais vibrantes de Nikki Lane na última canção citada. 

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes

O flerte refrescante com outros estilos também reflete na letra, a qual se afasta levemente do característico drama e glamour das composições da artista sem perder o brilho e a magia singular dela. "Romper lentamente é uma coisa difícil de fazer /Eu amo apenas você e isso está me deixando triste /Então não me mande flores como você sempre faz /É difícil estar sozinha, mas é a coisa certa a fazer," a artista canta em "Breaking Up Slowly".

Os grandes destaques do álbum são "Dark But Just A Game" e "Dance Til We Die". Lana explora guitarras melancólicas, batidas eletrônicas, notas de pianos soltas, cordas, saxofones com viradas revigorantes. 

+++ LEIA MAIS: Lana Del Rey reclama de nota baixa recebida pelo novo disco e crítica responde

Ela reflete sobre a fama, anuncia que vai fazer um cover de Joni Mitchell  e, na próxima faixa, cumpre a tarefa ao lado de Weyes Blood e Zella Day. Mais uma vez, Lana confirma a excelência dela como compositora.

Um ano e meio depois de declarar que queria encontrar “pequenas melodias especiais”, Lana nos apresenta aos resultados dessa busca artística, na qual se aventurou por cantos inéditos e latentes da própria discografia, e explorou a cultura e sonoridade americana. Direcionado ao country e folk, o retorno da cantora é marcado por experimentos sutis, bucólicos e sublimes.

+++ LEIA MAIS: Lana Del Rey regrava música de ícone do folk psicodélico Donovan para filme de terror; ouça


+++ LAGUM: 'BUSCAMOS SER GENUÍNOS' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL