Pulse

Batman ou Homem de Ferro: qual é o super-herói mais rico? E por quê? [ANÁLISE]

Esses heróis provam que o melhor super poder da ficção é um poder bem real: ser super-rico

Vinicius Santos Publicado em 13/10/2019, às 10h00

None
Montagem: Robert Downey Jr. em Vingadores: Ultimato (Foto: Reprodução Marvel) / Ben Affleck em Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Foto: Reprodução Warner)

O Playboy inventor da Marvel e o filantropo vigilante da DC são dois dos super-heróis mais populares da atualidade, apesar de não terem superpoderes. Bom, na verdade o poder deles é um dos poucos que também existem na vida real: ser super-rico. As fortunas do Homem de Ferro e do Batman foram fundamentais para os heróis em diversas situações.

Bruce Wayne é o herdeiro do império das indústrias Wayne, um conglomerado multinacional com sede em Gotham City, que lidera em diversos segmentos, da construção civil a contratos militares. Já Tony Stark também herdou o controle das indústrias Stark, pioneira do setor armamentista, de vigilância e de energia sustentável. Típicos casos de “paitrocínio” na jogada, ainda que ambos tenham mérito em multiplicar os doláres.

Como nenhum dos dois possui força sobre-humana ou faz magia, a conta bancária é essencial para desenvolver os trajes e armas que usam para salvar o mundo, dinheiro é literalmente poder. Sabendo disso, qual dos dois é o magnata fictício mais poderoso? Sabemos a resposta, e os motivos por trás dela são bem reais, apesar de ser uma discussão fantasiosa.


O mais rico, numericamente


Homem de Ferro (2008) / Reprodução Marvel

A Forbes já fez o exercício de ranquear as maiores fortunas da ficção, na pesquisa Forbes Fictional 15, em 2013. A lista não é exatamente considerada “verdade” por ambas Marvel e DC, já que é mais fácil para criar histórias não se limitar a cifras e sim aceitar que os heróis têm dinheiro infinito, porém, Tony Stark está em 4º lugar com US$ 12,4 bilhões de patrimônio acumulado, enquanto Bruce Wayne ficou em 6º com US$ 9,2 bilhões.

Os números já mostraram que o Homem de Ferro é o vencedor da disputa monetária, mas para aqueles que ainda não estão convencidos, uma análise dos estilos de vida, personalidades e históricos, revela os motivos de Tony Stark ter sempre mais dinheiro, de acordo com a lógica do mercado.


“Eu sou o Homem de Ferro”


Homem de Ferro 2 (2010) / Reprodução Marvel

O primeiro e maior motivo para a conta bancária com mais dígitos de Stark é o fato de sua identidade secreta… bom, não ser secreta, em contraste com a do Batman, sempre guardada à sete chaves.

Como a opinião pública sabe que o empresário é também um super-herói, cada boa ação que “bilionário, playboy, gênio e filantropo” faz, com ou sem a armadura, se reverte em valor para as indústrias Stark no mercado de ações. Dá pra imaginar a alta que as ações da empresa tiveram depois que Tony salvou o universo inteiro em Vingadores: Ultimato?

+++Leia mais: Fãs descobrem maneira de trazer Tony Stark de volta ao MCU depois de Vingadores: Ultimato; entenda

Enquanto isso, todas as vezes que o Homem-Morcego salvou o dia não são associadas às indústrias Wayne. Pelo contrário, a imagem de Bruce Wayne para o público em geral é a de um herdeiro quase sempre arrogante e alienado do que acontece na própria cidade, isso não é bom para os negócios.


Política corporativa


Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge / Reprodução Warner Bros.

Por mais absurdo que isso pareça, os impérios de mentirinha da Marvel e DC possuem culturas empresariais bem diferentes, que impactam diretamente nos lucros.

Quando Stark desenvolve uma tecnologia nova, ele não hesita em patentear e vender para a melhor oferta. Só lembrar dos porta-aviões voadores que ele desenvolveu para a S.H.I.E.L.D em Capitão América: Soldado Invernal(2013) e do revolucionário reator em arco que gera energia limpa para cidades e as armaduras do herói.

+++Leia mais: Batman: Conheça 8 vilões que desapareceram das HQs

Agora o Sr.Wayne não aproveita igualmente o intelecto brilhante nos negócios. Ele não é tão ativo nas decisões da empresa, e geralmente deixa tudo na mão de Lucius Fox. A única cláusula de contrato que o Batman exige que seja cumprida é o ocultamento das novas tecnologias. Caso ele invente uma arma nova, ou descubra o antídoto para o gás do medo do Espantalho, ele manterá em segredo até que seja totalmente necessário para salvar Gotham.


Personalidade e temperamento


Batman vs Superman: A Origem da Justiça (2016) / Reprodução Warner Bros. 

Por último mas talvez o fator mais importante é como as personalidades desses personagens icônicos poderiam impactar um negócio real. Nos quadrinhos do Batman, Gotham esteve várias vezes à beira do colapso, e quando isso acontecia eram as indústrias Wayne as grandes responsáveis por reconstruir a cidade e por grandes atos de caridade, levadas pela paixão de Bruce por manter o sistema funcionando.

Ainda que seja uma atitude heróica, não é muito inteligente do ponto de vista empresarial. As licitações com o governo de Gotham não devem ser nem um pouco lucrativas, já que a cidade está sempre tendo que esvaziar o tesouro do governo para reparar os constantes ataques de super-vilões, e gigantescos atos de caridade de Wayne também não ajudam os bolsos, apesar de ótimos para a imagem da corporação do Batman.

+++Leia mais: Batman vilão, louco ou nazista: conheça 7 versões alternativas do Homem-Morcego [LISTA]

Já as indústrias Stark usam descaradamente a tecnologia avançadíssima de Tony para fazer reparos ou outras obras com custo reduzido, enquanto a esposa e presidente da Stark, Pepper Potts, controla o ego do Homem de Ferro caso ele comece a se comportar de maneira auto-destrutiva ou queira doar quantias absurdas para vítimas de um dos vilões dele.

Ainda que no fim tudo isso não passe de um exercício lúdico, essas são razões bem lógicas para acreditar que o Homem-Morcego, apesar de mais cauteloso e prudente, não consegue superar em riqueza uma das mentes mais brilhantes do universo Marvel, fazendo o Bat-traje parecer um pijama caro em comparação com a armadura vermelha e dourada.