Como J.J. Abrams repetiu os próprios clichês e arruinou Star Wars [ANÁLISE]

O próprio estilo característico do cineasta de contar histórias privou A Ascensão Skywalker de elementos vitais a um longa de Star Wars

Vinicius Santos Publicado em 11/05/2020, às 07h00

None
J.J. Abrams e Star Wars: A Ascensão Skywalker (foto: Christopher Smith/Invision/AP/ Lucasfilm)

Sim, Star Wars: A Ascensão Skywalker (2019) foi um fracasso. Por mais opinativa que essa frase possa parecer e qualquer fã que tenha gostado do filme tem todo direito de continuar gostando, o que deveria ser a conclusão épica de uma das maiores sagas cinematográficas teve a pior bilheteria da nova trilogia.

Com US$ 1,074 bilhão ao redor do mundo, A Ascensão Skywalker não chegou nem perto de superar os US$ 1,321 bilhão de Os Últimos Jedi  (2017), muito menos os estrondosos US$ 2 bilhões de O Despertar da Força (2015). Além disso, a média do filme na plataforma IMDb, que agrega notas de inúmeros sites, é 6,7, ligeiramente maior que o 6,5 do indiscutível pior longa da franquia, o infame A Ameaça Fantasma(1999).

+++ LEIA MAIS: Livro de Star Wars: A Ascensão Skywalker revela últimas palavras de Kylo Ren para Rey

Alguma coisa com certeza deu errado e, infelizmente, o principal responsável disso foi o estilo, com todos os clichês usados à absoluta exaustão, do diretor J. J. AbramsAntes de conclusões precipitadas, não estamos dizendo que Abrams não é um bom cineasta, pelo contrário, ele tem excelentes capacidades. É muito hábil com atores, conseguindo tirar o melhor deles nas cenas divertidas, além de contar histórias em ritmo frenético e bem-humorado.

O estilo altamente característico de Abrams, entretanto, não era o que a conclusão de Star Wars precisava. A linguagem cinematográfica do cineasta abre mão de elementos que dão coerência e impacto dramático a um filme em prol da diversão e, mesmo a diversão sendo algo necessário à franquia de George Lucas, apenas isso não sustenta a experiência.

+++ LEIA MAIS: Agora é oficial: George Lucas diz em que ordem Star Wars deve ser assistido

A pergunta óbvia (e justificada) que surge após uma afirmação dessas é: Por que? Por isso que vamos, passo a passo, listar os clichês aplicados pelo diretor e de que maneiras eles falharam em entregar um desfecho a altura dos 40 anos de aventuras da família Skywalker.

Sempre é bom avisar que, a partir deste ponto, haverão vários spoilers de A Ascensão Skywalker, assim como muitos trechos do filme e de outros trabalhos de J.J. Abrams.


Excesso de informação, falta de emoção

J.J. Abramstrabalha no auge quando o foco do filme é levar a trama adiante e apresentar informações novas sobre o problema que os heróis devem superar. É uma ótima habilidade para se ter quando a tarefa é tornar exploração espacial e batalhas de naves em cenas interessantes. É o caso dessa conversa durante um teste em Star Trek (2009):

A câmera viaja de forma dinâmica entre os atores, as falas são bem escritas e a performance irreverente de Chris Pine como Kirk transforma um contexto bem monótono em uma sequência empolgante, finalizada muito bem com a primeira aparição de Spock (Zachary Quinto) no filme. 

+++LEIA MAIS: As 3 melhores falas de Luke Skywalker em Star Wars [LISTA]

Porém, por melhor que esse estilo seja, ele entrega apenas roteiro. A mensagem passada no trecho é: "Kirk trapaceou no teste do Kobayashi Maru! E agora Spock vai investigar como isso aconteceu." É sim um elemento necessário e saudável a um filme divertido. Mas isento de emoção.

Star Wars difere de Star Trek nesse sentido. Nas histórias da Enterprise o foco é em como os personagens vão resolver os problemas de forma inteligente e inovadora. Já quando Luke e os rebeldes atacam a Estrela da Morte em Uma Nova Esperança (1977), não há nenhum plano mirabolante, apenas o herói usando da Força e determinação conquistadas ao longo da jornada para vencer. 

+++LEIA MAIS: Que personagem Ed Sheeran interpretou em Star Wars: A Ascensão Skywalker?

Por isso, J.J. Abrams já mostra uma das primeiras incompatibilidades com Star Wars. O estilo dele não colabora com a necessidade da franquia de mergulhar nas emoções dos personagens, isso tudo é deixado de lado. Faltam cenas nas quais os heróis mostram os conflitos internos e triunfam sobre eles.

Veja agora essa icônica conversa entre Luke, Han Solo e Obi-Wan a bordo da Millenium Falcon: 

O filme sabiamente deixa um pouco o perigo de lado para mergulhar nas motivações dos heróis. Han fala de como acha a Força ridícula e os Jedi ultrapassados, enquanto Obi-Wan ensina ao protagonista que o poder irá guiá-lo, se ele aceitar. Não há plano de ataque contra o Império, nem vidas em jogo, apenas pessoas com opiniões diferentes explorando os próprios sentimentos.

+++LEIA MAIS: Darth Vader é o melhor vilão de Star Wars? 4 motivos para acreditar que sim [LISTA]

Coisa que não acontece nessa cena feita, não por acaso, também na Millenium Falcon:

Finn, Poe e Chewie começam uma interação muito engraçada ao jogar de novo o tabuleiro holográfico, o amado Wookie vai fazer uma jogada e... Esquece isso, o alarme tocou, é hora de explodir Tie Fighters da Primeira Ordem. O que poderia ser um olhar interessante nas mentes dos personagens muito bem interpretados por John Boyega e Oscar Isaac é cortado abruptamente.

Novamente, é apenas informação, com quase nenhuma emoção. Falando em emoção...


A cenas tristes não tem o espaço necessário

É claro que os filmes de J.J. Abrams tem emoção. Há perigo, momentos heroicos e engraçados. E só. Star Wars tem muitos pontos altos, mas também tem pontos baixos importantíssimos para tornar as vitórias marcantes.

Novamente, vamos comparar cenas que, em essência, são iguais. "O herói descobre que é parente do vilão" vale para ambos os momentos:

+++LEIA MAIS: Finn consegue usar a Força? Nova teoria de Star Wars garante que sim

Arrepiou, né? Luke sofre uma enorme derrota, entra em colapso com a negação, dá um salto imprudente e escapa por um tris da morte certa. Uma cena magistral do diretor Irvin Kershner. Veja o mesmo conceito, agora nas mãos de Abrams:

 A revelação acontece, Rey está no dilema entre a morte o lado sombrio da Força e... Ufa, ainda bem que os amigos dela chegaram para resgatar o filme dessa cena triste. Voltamos a programação normal de animação e ação.

Parece que o luto e a tristeza são tratados por J.J. Abramscomo empecilhos na história, quando o que Star Wars precisa é usar os momentos baixos como um trampolim para construir os altos.

+++LEIA MAIS: Astro de Stranger Things quer ser versão jovem de Ben Solo em futuro filme de Star Wars

O exemplo claro desse aspecto é a "morte" do Chewbacca. Para captar a atenção do público, o diretor criou uma boa cena para chocar o público e revelar a conexão de Rey com o lado sombrio, mas todo esse impacto se perde segundos depois, quando o parceiro de Han Soloaparece vivo e capturado.

Outros diretores teriam alongado mais a morte falsa do Wookie, mas Abrams decidiu mostrar ao público que o personagem estava vivo antes mesmo que os próprios heróis soubessem. Afinal, se o Chewie está morto, o filme fica triste e não podemos nos divertir direito com o adorável alien Babu Frik minutos depois. E o diretor ainda tem uma carta na manga para se safar da falta de profundidade e é bater com tudo na tecla da nostalgia.


Fan-service acima de tudo, inclusive da coerência

J.J. Abrams tem ciência de que o estilo dele apela fortemente para conquistar o público pelo carinho que eles têm em relação a uma história e personagens. Para tal, ele aproveita o máximo possível da nostalgia. O maior exemplo disso é essa cena de Além da Escuridão - Star Trek (2013): 

Naquele momento da história, Spock e Kirk não fazem ideia de quem é Khan eles nunca o viram antes. Mas, o momento da revelação do nome tem um foco absurdo, pois o público sabe quem é o vilão. Esse é o famigerado fan service, um elemento supérfluo a narrativa original, colocado lá apenas para agradar os fãs.

+++LEIA MAIS: Vaza cena da série de Star Wars criada por George Lucas em 2005 e cancelada; conheça Underworld

Fan service não é algo muito nocivo a um filme, mas, em A Ascensão Skywalker,Abrams foi longe demais, colocando o agrado aos fãs acima de desfechos coerentes. A cena que personifica isso é a infame "Rey Skywalker":

Certo, sei que é difícil, mas vamos tentar analisar essa cena com as emoções de lado. Faz sentido Rey estar em Tatooine, na velha casa de Luke? Esse é o planeta que o personagem de Mark Hamill detestava viver no início da saga e desejava sair desesperadamente. Aquela casa é o lugar onde os tios dele foram brutalmente mortos. É um lugar apropriado para homenagear o mestre?

Sim, Tatooine é um planeta importante. Para os fãs. Vale também Leia foi raptada e escravizada por Jabba no planeta, então nenhum dos gemêos  Skywalker gostaria de ter uma lápide lá. Entretanto, aquece o coração do fã ver o pôr do sol duplo de novo.

+++LEIA MAIS: Fã teria previsto ‘twist’ de Palpatine em Star Wars: A Ascensão Skywalker anos atrás; veja

Depois disso, uma estranha pergunta qual é o sobrenome de Rey e ela diz: Skywalker. Alto lá, nós temos carinho por esse nome, mas será que a personagem de e Daisy Ridley tem? Afinal, o primeiro Skywalkerfoi  Anakin, um Jedi que sucumbiu, matou crianças e se tornou o ícone do mau Darth Vader. Luke Skywalker, outro que deveria ser um herói, desapareceu por anos e abandonou a luta.

Se Rey quisesse adotar um nome para ela, não faria mais sentido Organa? O sobrenome usado por Leia, um dos maiores símbolos de justiça e luta pela democracia, com quem a heroína treinou durante um ano e sempre foi bem tratada faria muito mais sentido com a história. Mas, não tem o valor para os fãs que um Skywalker tem.

Agora, meses depois do resultado muito abaixo do esperado e fãs ainda polarizados entre amar e odiar o filme, pode-se dizer que não deu certo dessa vez para J.J. Abrams.


+++ MINHA PLAYLIST.... FRANCISCO, EL HOMBRE | ROLLING STONE BRASIL