Em Loki, Tom Hiddleston quer deixar antigos truques para trás: ‘Estamos o libertando dessa armadilha’ [ENTREVISTA]

Em entrevista exclusiva, o astro do MCU falou sobre a sensação de retomar o papel do Deus da Trapaça, a experiência de trabalhar com Owen Wilson e muito mais

Julia Harumi Morita Publicado em 11/06/2021, às 09h34 - Atualizado às 09h53

None
Tom Hiddleston em Loki (Foto: Reprodução via IMDb)

[Atenção: esta publicação contém spoilers do primeiro episódio de Loki]

O aguardado retorno de Tom Hiddleston como Loki no Universo Cinematográfico Marvel foi marcado por performances fenomenais, diálogos terapêuticos e visuais impressionantes.

O primeiro episódio do seriado homônimo, disponibilizado na última quarta, 9, no Disney+, partiu da última cena do Deus da Trapaça em Vingadores: Ultimato (2019), na qual o personagem coloca as mãos no Tesseract e desaparece como mágica.

+++ LEIA MAIS: Os segredos das novas séries da Marvel: de WandaVision a Loki

Claro, os Vingadores não conseguem localizar Loki, mas a TVA - Autoridade de Variação Temporal leva poucos segundos para rastrear e prender o novo criminoso temporal, responsável por criar um evento nexus e uma variante, ameaçando a Linha do Tempo Sagrada.

A TVA é o grande destaque da estreia e, junto com as viagens no tempo, instaura um clima de ficção científica e série policial. Como o Hex de WandaVision, organização é poderosa, porém possui ambientes mundanos e medíocres, como escritórios com funcionários dedicados integralmente ao trabalho.

+++ LEIA MAIS: Thor vilão? Na infância, o irmão malvado não era Loki

Os temas também seguem um caminho parecido com o da série estrelada por Elizabeth Olsen. Loki é obrigado a assistir aos próprios erros do passado e descobre as tragédias do futuro predestinado dele - em poucos minutos, a série faz o Deus da Trapaça demonstrar vulnerabilidade e repetir o arco de evolução vivido nos filmes de Thor e dos Vingadores.

Não podemos deixar de mencionar a química de Hiddleston com Owen Wilson, intérprete do agente da TVA Mobius M. Mobius. Entre muitos diálogos e poucas cenas de ação, os dois atores cativam o público com uma dinâmica extraordinária.

+++ LEIA MAIS: Tom Hiddleston fica constrangido ao assistir teste para interpretar Thor no MCU; assista

Apesar dos momentos explicativos, os quais são necessários para contextualizar a criação da TVA, introduzir oficialmente o multiverso no MCU e preparar o protagonista para uma nova trajetória, Loki consegue afetar nossa percepção de tempo e fazer 52 minutos parecerem episódios curtos de meia hora.

Na semana da estreia de Loki, a Rolling Stone Brasil teve acesso a uma entrevista exclusiva da Marvel Studios com Tom Hiddleston, na qual o ator falou sobre a sensação de retomar o papel do Deus da Trapaça, a experiência de trabalhar com Wilson, o papel da TVA e mais. Confira:

+++ LEIA MAIS: Coringa, Thanos, Loki, Magneto: 7 supervilões de filmes de heróis que aprendemos a amar [LISTA]

Qual foi sua reação quando você foi procurado para a série Loki?

Hiddleston: Foi tão emocionante. Lembro de ter uma conversa com todos da Marvel Studios após Guerra Infinita (2018) ser lançado. E nós apenas colocamos nossas cabeças juntas e pensamos: 'Certo, fiz seis filmes como Loki. E esses longas-metragens realmente são a saga de Thor. Todos são sobre a conexão de Loki com Thor e a família dele. Para onde vamos agora? O que não fizemos? O que é novo? O que é original?'

E essa foi a conversa mais inspiradora. Lembro de ter saído pensando: 'Isso vai ser muito, muito novo, porque o personagem tem muita amplitude e profundidade'. Como ator, esse foi o presente. Loki é quase uma caixa infinitamente fascinante de truques, a qual, no momento em que você pensa conhecê-la, ela revela outra coisa.

Depois de todos esses anos, o que torna Loki um personagem tão divertido para continuar a explorar?

Hiddleston: Tendo interpretado Loki por tanto tempo e tido o privilégio de habitar nele desde o início, descobri que sempre senti um carinho por ele e pela vulnerabilidade dele. Mas, ao longo da minha experiência nos filmes do Marvel Studios, tive consciência de que Loki tinha um papel a desempenhar nos primeiros dez anos. Como Loki, eu tive que interpretar o vilão.

Então eu tive que bancar o anti-herói. Desta vez, é a primeira chance, talvez por um tempo, que pude ver se conseguimos realmente quebrar o molde, mudá-lo e manter todos os melhores aspectos dele.

Mas, como eu disse, tente passar por baixo de todas as defesas dele: a defesa do carisma, de manter as pessoas à distância. Esse é um núcleo realmente interessante de uma ideia dentro da história.

Loki pode mudar? Loki é capaz de mudar? Se ele mudar, as outras pessoas permitirão que ele mude? Loki consegue sair do próprio caminho? Loki pode fazer escolhas diferentes? E se ele fizer essas escolhas, para onde irá a seguir? Portanto, é realmente emocionante encontrar uma maneira de encontrar o equilíbrio entre respeitar o que vem antes e inventar algo novo.

Você interpreta Loki há anos, mas esta é a primeira vez que ele é o foco da história. O que você quer que os fãs aprendam sobre ele?

Hiddleston: Espero que os fãs sintam todas as coisas que amam sobre a Marvel e o Loki. [Sintam] que criamos algo brilhante, colorido e espetacular, o qual tem luz e sombra, intensidade e alívio. Criamos personagens interessantes e novos mundos, onde as pessoas se deparam com desafios físicos e emocionais, os quais testam eles. E eles são forçados a superar e fazer as escolhas certas.

Para qualquer um que ame o Loki: Esse é o cara que você conhece. Ele ainda é o Deus da Trapaça, mas [a série] o leva para outro nível. Espero que os fãs e o público sintam a mesma empolgação, a mesma paixão e o mesmo senso de possibilidade que todos nós sentimos enquanto estávamos fazendo [o programa]. Foi uma experiência realmente única. Na mistura criativa, houve muita paixão e muita energia. Espero que os fãs possam sentir essa energia, e se sintam animados e inspirados para onde vamos a seguir.

Afinal, o que a TVA quer com Loki?

Hiddleston: De acordo com a TVA, se você fez algo para alterar o curso da história ou mudar o curso do futuro, você é puxado para a sede e processado como criminoso do tempo. Você poderia literalmente ter feito qualquer coisa.

A TVA é uma organização que ordena e policia a passagem do tempo. Eles predeterminam o que acontece no passado, presente e futuro, em linha reta. E se você fizer qualquer coisa que se desvie disso ou crie um ramo alternativo da realidade, você é arrastado para a TVA e acusado de crimes contra a linha do tempo.

Você está basicamente em uma prisão perpétua. Não será uma surpresa para ninguém que Loki seja um daqueles criminosos do tempo. Ele exagerou. Ele quebrou muitas restrições.

Como foi trabalhar com Owen Wilson?

Hiddleston:Owen tem uma inteligência e curiosidade natural sobre o mundo, o que é muito único para ele. E ele traz tudo para o personagem, Mobius, o qual é leve e brilhante, divertido e curioso, mas também pode ser intenso.

Eu adorei que Owen quis mudar o visual também - ajudando a criar o mundo da TVA e a história de Mobius dentro dela. Acho que o público nunca viu Owen assim. O que ele fez para dar vida a Mobius é brilhante: ele é inteligente, solidário, divertido e original.

Adorei trabalhar com Owen. Ele é um homem tão amplo, com uma grande variedade de gostos e talentos. Nós nos conectamos muito cedo. E então espero ter criado algo realmente interessante ao lado dele.

O que será necessário para Loki sentir que não está mais na sombra de Thor?

Hiddleston: Loki precisa evoluir. O ciclo era: Loki é confiável, ele trai, ele se torna um vilão, ele aprende a confiar novamente, ele é traído, ele passa a confiar novamente, ele pode ser confiável novamente, então ele trai ou se sente traído. É apenas este ciclo interminável de confiança, traição e resistência.

O personagem está essencialmente cantando a mesma música indefinidamente. Ele está preso em uma roda de repetição, uma compulsão para repetir o mesmo dano, a mesma história. E estamos quebrando esse histórico. Estamos o libertando dessa armadilha.

Nesta história, mostramos que ele pode mudar, que pode crescer. E se essa experiência, a jornada que ele segue, realmente mudar algo interno, o qual pode potencialmente torná-lo outra pessoa? Ou começar de um ponto de compreensão de 'se você sabe quem você é, então quem você escolhe ser é uma coisa diferente'?

Que novos insights a diretora Kate Herron adicionou ao seu personagem?

Hiddleston:Kate realmente defende esses personagens e criou um mundo onde Loki e os outros personagens sentem as coisas muito intensamente, e as apostas para eles são muito altas.

O núcleo da ideia é um programa sobre autoconhecimento, no qual Loki e seus amigos se tornam mais conscientes de si mesmos. E por meio dessa jornada comovente somos capazes de mudar e essa mudança realmente começa com o reconhecimento de quem você é, quais são seus erros, seu passado e as pazes com isso. E então você pode realmente seguir em frente. Com um personagem como Loki, esses temas são um pouco extraordinários.

Como você descreveria o tom da série?

Hiddleston: Todos nós realmente queríamos que o tom do programa representasse o melhor do caráter de Loki. O caráter de Loki tem essa gama extraordinária. Loki pode ser divertido, alegre e espirituoso. Ele sempre tem uma boa fala: ele é o Deus da Trapaça, afinal.

Então, queríamos que o seriado fosse carregado de malícia, um senso de diversão e impulso. Mas também sabemos que Loki tem um coração muito sensível, danificado e partido, com uma enorme capacidade de sentir emoções em grande escala.

Ir para alguns lugares bastante profundos, os quais exploram algumas das experiências mais profundas sobre estar vivo - sobre solidão, tristeza, raiva, dor e perda. E então, queríamos o tom de toda a série com tudo isso. Aquele senso de diversão e travessura. E ter aquela sensação de profundidade e amplitude emocional que, com sorte, poderia estar contida nesta história épica, a qual começa com elementos com os quais as pessoas estão familiarizadas.


+++ URIAS: 'AS PESSOAS ESTÃO COMEÇANDO A ENTENDER MAIS DE MIM' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL