7 colaborações inesquecíveis de David Bowie: de Queen a John Lennon [LISTA]

Um dos maiores ícones do rock, Bowie foi responsável por diversas colaborações icônicas

Rolling Stone EUA. Tradução: Mariana Pastorello (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 09/04/2021, às 11h00

None
David Bowie durante show em Frankfurt em 1978 (Foto: Kirmes/dpa/Corbis)

Com uma carreira de quase 48 anos e reputação de maior camaleão do rock, David Bowie conseguiu  juntar-se aos melhores e mais brilhantes artistas underground em ascensão de cada geração: glammers, punkers, art-proggers, mestres do disco, rappers, estrelas do R&B, de música eletrônica e indie rockers contemporâneos.

Mas isso não significou a falta de interesse em colaborar com artistas como Cher, Bing Crosby ou um beatle. Aqui estão sete colaborações de Bowie - desde as icônicas, subestimadas e curiosas.

+++ LEIA MAIS: Ouça “Killing a Little Time”, uma das últimas gravações de David Bowie

Mott the Hoople, “All The Young Dudes” (1972) 

Ian Hunter e sua banda estavam prontos para começar de fato no rock & roll em 1972 quando um famoso fã entrou em cena e deu à banda um novo sopro de vida, produzindo o álbum All The Young Dudes e escrevendo a faixa título, responsável por definir a carreira do grupo.

De acordo com a lenda, Bowie escreveu a música - um hino instantâneo do glam-rock para adolescentes, jovens e senhores - de pernas cruzadas no chão do apartamento de Hunter. Foi a segunda tentativa do artista depois da banda rejeitar a primeira oferta: "Suffragette City".

+++ LEIA MAIS: Trailer de Stardust, cinebiografia de David Bowie, mostra o drama da vida do astro; assista

Lou Reed, Transformer (1973)

"Queria escrever canções com as quais pessoas como eu pudessem se identificar", disse Lou Reed. "Gostei dos Beatles e tudo isso, mas, por que não ter algo para outro público?" David Bowie era um desses artistas, inspirado nas explorações sombrias dos anos 1960 doVelvet Underground. No início dos anos 1970, Bowieera uma estrela, enquanto Reed buscava sucesso solo. A produção de Bowiee Mick Ronson em Transformer fez do disco o primeiro clássico de Reed após o Velvet Underground

O arranjo de cordas de Ronson na faixa “Perfect Day,” junto com a guitarra e piano, foram responsáveis por marcar o disco; com adicional backing vocals de Bowie e Ronson em "Satellite of Love”. “Não é o estilo que eu teria criado”, declarou Reedmais tarde, “Mas  [David] conhece música, além disso, tem uma voz estranha e pode chegar em um tom alto. É muito, muito bonito.” 

+++ LEIA MAIS: 9 capas de disco incríveis feitas por Andy Warhol - sem contar Velvet Underground

John Lennon, “Fame” (1975)

"John e Davidse respeitavam", escreveu Yoko Onoao saber do falecimento de Bowie. "Eram tão próximo quanto uma família." O respeito entre eles veio em "Fame", primeiro single número um deBowie nos Estados Unidos. A música foi gravada no Electric Lady Studios de Nova York, EUA, logo após o primeiro encontro no início de 1975.

Bowie estava no meio de uma rescisão do contrato com o gerente manipulador Tony DiFries e usou a funky"Fame" (nomeado por ele como "musiquinha raivosa ") como um ataque,  cortante a todo o processo de formação de estrelas. "A fama em si não é algo gratificante", disse. "No máximo, isso te garante um lugar nos restaurantes."

+++ LEIA MAIS: Paul McCartney ou John Lennon: quem cantou mais músicas dos Beatles?

Cher, “Can You Hear Me” (1975) 

1975 foi um ano difícil para Bowie. Passou grande parte se empanturrando de cocaína e explorando o oculto enquanto gravava o disco Station to Station. No meio de tudo, arranjou tempo para aparecer no programa de Cher da CBS. Realizaram um dueto melancólico da balada "Can You Hear Me?", do discoYoung Americans (1975).

Luther Vandross, “Young Americans” (1975) 

Bowie foi um grande apoiador da carreira de Luther Vandross, trazendo o jovem cantor de R&B para backing vocals no disco Young Americans. Quando Vandross se tornou uma estrela solo, retribuiu o favor com um cover da música de Bowie durante um show.

+++ LEIA MAIS: Como David Bowie criou o astronauta trágico Major Tom e mudou sua carreira com a música "Space Oddity"

Iggy Pop, The Idiot e Lust For Life (1977)

Iggy Popchamou o primeiro disco solo após o fim dos Stooges de "um álbum de liberdade". Essa liberdade teria sido inimaginável sem David Bowie, responsável por produzir The Idiot, reduzindo o som vicioso da guitarra da antiga banda de Iggypara um território mais frio e sintetizado. O trabalho de Bowie no álbum previa o próprio "período berlinense" - e faria grande sucesso alguns anos depois com o cover de"China Girl" do The Idiot .

Naquele mesmo ano, Bowie estava de volta aos bastidores do disco Lust for Life, com uma abordagem mais direta da produção responsável por ajudar Iggy a se reconectar com o lado punk-rock primitivo. A faixa-título e "The Passenger" permanecem entre suas canções mais conhecidas. Quando Bowiemorreu,Iggy publicou no Twitter: "A amizade de David foi a luz da minha vida. Nunca conheci uma pessoa tão brilhante. Era o melhor."

+++LEIA MAIS: Ícone do rock, David Bowie escrevia as próprias canções?

Queen, “Under Pressure” (1981)

Como tantos grandes momentos musicais, esta dupla de gigantes do rock dos 1970 surgiu por acaso. Bowie e Queen gravavam em um estúdio suíço; Bowieconcordou em adicionar alguns vocais de apoio a um corte insignificante do Queen chamado "Cool Cat". (Não estava satisfeito com suas contribuições, apagadas mais tarde.)

Em seguida, os músicos improvisaram uma linha de baixo simples e repetitiva, parecia encapsular tudo de mais estimulante e enervante na vida moderna. Na gravação final, ouvimos duas das vozes mais singulares do rock alimentando-se e superando essa ansiedade - Mercury voando alto sem esforço e Bowiesubindo tenazmente.

+++ LEIA MAIS: Jon Bon Jovi viu Freddie Mercury e David Bowie gravarem ‘Under Pressure’: 'Ninguém acredita


+++ LAGUM | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL

+++SAIBA MAIS: As 6 melhores músicas de Kurt Cobain [LISTA]

No dia 5 de abril de 1994, o lendário e inesquecível vocalista do Nirvana, Kurt Cobain, se suicidou aos 27 anos com um tiro na cabeça em Seattle, Washington, Estados Unidos. Desde então, deixou saudades eternas.

Marco para o grunge, músico fascinante, artista memorável e um dos principais nomes da música, Kurt Cobain fez história ao longo da carreira, principalmente acompanhado do Nirvana

+++LEIA MAIS: 10 curiosidades sobre Kurt Cobain que você - provavelmente - não sabia [LISTA]

As canções compostas pelo vocalista para o grupo relembram o quão importante e fantástico ele foi para a história da música. Faixas impecáveis como "Come As You Are", "All Apologies" e "Drain You" dificilmente serão esquecidas.

Para relembrar a grandiosidade do lado artístico de Kurt Cobain com o Nirvana, a Rolling Stone EUA listou as 6 melhores músicas da carreira do vocalista com a banda. Confira a lista:

+++LEIA MAIS: Nirvana quase se chamou Skid Row antes de escolher nome oficial; entenda


6 - All Apologies

Uma grande canção da discografia da banda, "All Apologies" apareceu originalmente no disco In Utero (1993). No entanto, a versão mais lembrada, e possivelmente querida pelo público, é a gravação de novembro de 1993 para o MTV Unplugged

+++LEIA MAIS: Como foi a passagem do Nirvana pelo Brasil em 1993: noite com João Gordo e caos no palco; assista ao show completo


5 - Drain You

O Nirvana escreveu muitas das canções do Nevermind (1991) antes de gravar o disco, mas a Rolling Stone EUA lembra que "Drain You" foi composta durante as sessões. Kurt Cobain nunca revelou quem inspirou a canção de amor, porém, foi escrita apenas três meses após ele conhecer Courtney Love.

Com certa frequência, Kurt afirmava ser uma das músicas favoritas dele da discografia da banda, e eles a tocaram basicamente em todos os shows nos últimos três anos de atividade enquanto grupo.

"Penso que há tantas outras canções que escrevi e são tão boas [como 'Smells Like Teen Spirit']. Como 'Drain You'. Eu amo a letra e nunca me canso de tocá-la. Talvez se fosse tão grande quanto 'Teen Spirit', eu não gostaria tanto", contou à Rolling Stone em 1993.

+++LEIA MAIS: O dia em que Kurt Cobain teve overdose de heroína antes de tocar no Saturday Night Live [FLASHBACK]


4 - Come As You Are

Kurt Cobain era um grande fã dos Pixies e nunca escondeu isso. Muitas vezes, o músico  recorria ao método de composição usado pela banda. "Estou ficando tão cansado dessa fórmula. Nós dominamos isso", disse à Rolling Stone em 1993.

Segundo a Rolling Stone EUA, porém, um dos melhores exemplos da fórmula é "Come As You Are", o segundo single de Nevermind(1991). Para a RS EUA, a versão do Unplugged é particularmente poderosa, e o refrão continua assustador.

+++ LEIA MAIS: Fotógrafo encontra imagens inéditas de um dos primeiros shows do Nirvana no Reino Unido


3 - Heart-Shaped Box

Em uma entrevista de 1994 à Rolling Stone,Courtney Love lembrou-se de ter ouvido o processo de composição de "Heart-Shaped Box": "Tínhamos um armário enorme. E eu o ouvi lá trabalhando em 'Heart-Shaped Box'. Ele fez isso em cinco minutos."

Kurt Cobain começou a trabalhar na música no início de 1992, e a canção foi a escolhida como primeiro single de In Utero(1993). A Rolling Stone EUA lembra que o disco foi produzido por Steve Albini, e a gravadora temeu não ser comercial o suficiente, e Scott Litt foi chamado para remixar a faixa. 


2 - Smells Like Teen Spirit

"Smells Like Teen Spirit" foi a canção que trouxe toda a atenção mundial para o Nirvanae deu início a uma nova era da música - e é um dos principais hits da história. "Eu estava tentando escrever uma música pop", disse o vocalista à Rolling Stone em 1993.

"Todo mundo se concentrou tanto nessa música e o motivo pelo qual ela teve uma grande reação é que as pessoas a viram na MTV um milhão de vezes", contou o artista na mesma entrevista.

+++LEIA MAIS: Quantos anos tinha Kurt Cobain quando escreveu 'Smells Like Teen Spirit'?


1 - Lithium

Não, a Rolling Stone EUA não escolheu "Smells Like Teen Spirit" para o primeiro lugar deste ranking. Segundo a revista, o terceiro single de Nevermind(1991) merece a colocação.

"Lithium" é uma música sobre um cara que passa a se dedicar à religião depois da morte da namorada. Isso o acalma, muito parecido com uma dose de lítio real. É uma incrível música e um dos principais destaques na discografia do Nirvana

+++LEIA MAIS: Dave Grohl diz que Kurt Cobain foi 'o maior compositor de sua geração'